mercredi 4 juin 2014

Palavras certeiras




Em final de maio ultimo, o escritor Plínio Camillo, lançou a sua coletânea de contos: Coração Peludo.
Nesta descreve situações marcantes em formas curtas. O protagonista compartilha com o leitor momentos diversos e decisivos da sua experiência de vida, tão surpreendente quanto a linguagem do escritor. Em poucas, mas certeiras palavras, Camillo dá o tom das circunstâncias, descreve personagens e conclui as passagens que seu narrador escolhe para relatar.

A escrita do autor é povoada de citações que definem diferentes épocas, bem como de bordões de desenhos animados e publicidades que ficaram na memória popular, salpicada por trechos de músicas que fizeram história, dos quais se apropria concedendo personalidade ao texto. Sua narrativa se inscreve numa estética de escrita naturalista, bem como os recursos para contextualizar as vivências de seu personagem, crível por ser humanamente contraditório. Como bem descreve seu prefaciador, o escritor e jornalista Gláuber Soares: “Numa época em que boa parte da literatura brasileira se encontra asséptica, indevidamente pasteurizada, Plínio Camillo rasga o peito do seu personagem principal, fio condutor entre todos os contos…”.

O prefácio da obra complementa: “sem pudor e, sobretudo, sem desperdiçar palavras com descrições enfadonhas ou explicações desnecessárias, o autor, no vigor do seu estilo, parece ter encontrado um antídoto contra a chatice”.
Contra capa
“Devassa na promoção, Marlboro do Paraguai e uma donzela.
                Vem sempre aqui? Uma dose dupla de rapariga. Explico a todos a diferença entre o realismo e o simbolismo. Ligo para o Edgard, não atende. — Japinhas me deixam louco, sabia? Sabem fazer um yakissoba de afundar Tóquio...
                Uma amarelinha, por favor!
 — Que tal em casa? Mostro a minha coleção de mangás e os DVDs do Nacional Kid. Gostei do seu bigode”.

Assim começa  mais um capítulo na trajetória do nosso herói. Cínico, faminto, visceral, sem nenhum medo de errar – um corajoso ou um inconsequente? Nem ele mesmo sabe. Aliás, nunca parou para pensar nisso. Ele só sabe que, na dúvida, só resta agir.

Não, este não é um mais um livro de contos. É uma seqüência de fragmentos que contam uma ótima história. Mas cada fragmento/conto tem começo, meio, fim e muito recheio saboroso.

“Encaixo o soco. Empurro forte. Dou um braço e meio de distância do meu pai. Mostro os dentes, misto de sorriso com raiva. Jeito bom de se sofrer.
Nem vem que não tem/ Nem vem de garfo/ Que hoje é dia de sopa’.
Ele vem como um polvo maluco. Saio de lado e aplico uma gravata.
 — Ela falou que meu pau é muito maior!!”.


Ouvir, contar e recontar -Produzi, ao longo de meus primeiros quarenta e nove anos, alguns roteiros de vídeo, historietas e peças curtas. Escondi tudo!

Publicou seu primeiro livro “O Namorado do Papai Ronca” em 2012, selecionado pelo Concurso de Apoio a Projetos de Primeira Publicação de Livro no Estado de São Paulo do ano de 2011 (ProAC Edital nº 32/2011), e lançado pela Prólogo Selo Editorial em parceria com o Instituto Cultural Mundomundano, chamando a atenção pela inovação na linguagem, apropriando-se do modo de expressão usual nas redes sociais.

Estimulado pela literatura de autores como Marcelino Freire, Dalton Trevisan, Lima Barreto e Dashiell Hammett, o autor encontra referências também na dramaturgia e na tradição teatral, área em que tem uma vasta experiência. Participou do Curso de Extensão Cultural em Teatro na Unicamp, atuando como autor, diretor, ator, iluminador e assistente de produção nessa área. Camillo reconhece em sua construção narrativa o aporte dessa vivência teatral. Possivelmente, por também ser educador, sua escrita demonstra relação com o contemporâneo na linguagem e nas temáticas tratadas.




Plínio Camillo – nasceu em Ribeirão Preto em 26 de novembro de 1960. Reside em São Paulo desde 1984, tendo vivido em Campinas entre 1998 a 2001.
Sagitário com ascendente em aquário é rato no horóscopo chinês.

Mantém os Blogs:
O Namorado do papai ronca: http://pliniocamillo.wordpress.com/)



Coração Peludo - 160 páginas
Custo: R$ 35,00 (trinta e cinco reais)
Editora Kazuá – www.editorakazua.com.br
Coração Peludo - http://cervejaerua.wordpress.com/

Bonito hein...



Quebra de protocolo, assim temos a polêmica geração Y, nascidos pós 1980 até meados de 1990. Revolucionando fortemente o modelo paternal – anteriores filhos das guerras e silêncio – baby boomers, são originalmente conectados e animados pela revolução digital e riquezas que cercaram seu nascimento. Afrontam naturalmente a ortodoxia da gravata. Formalidades éticas como respeito, assiduidade, pontualidade e planos de carreira com turnover sensato, são abolidos apitos – quase futebol americano – atrás de prioridades metrossexuais em meio ambiente e causas sociais. Os millennials, como também são conhecidos. Geração dos desejos mimados.

Somam atualmente 20% da população mundial, e dentro do capitalismo isto é nicho de mercado expressivo. Trazem consigo ambições rápidas e superficiais, alicerçados (construção terra brasilis) em seus sucessores – analfabetos funcionais pré-moldados – geração Z; esta não quer saber nem de onde veio ou pra onde vai. Querem estar conectados em tempo integral; no facebook, whatsapp, news smartphones e tablets... Seus heróis são criadores dum alfabeto pichações alienígena desconhecido, mas premiado culturalmente pela mensagem espiritual e ousadia nas alturas públicas; e se você não decifra, é porque ainda não está preparado ou merece.

Populistas políticos descobriram tais tendências pioneiramente, destronando os ditos illuminati, controladores da moda (padrões de consumo) e meios de comunicação anteriormente convencionais e do fluxo de caixa mundial. Derrotados pelo controle da ansiedade cultural, especialmente latina, explorando um vazio jeitinho pregação múltipla religiosa, entronizando laicismo (quase perdoando a maconha). Amparado em inovadores modelos de família homossexual e alegados resgates sociais disfarçados contra o racismo, que em verdade fomentam, depreciando negros pela esmola discriminatória das cotas. Forçam a barra para que deficientes frequentem aulas convencionais, negando aos mesmos o aparato técnico necessário, enlouquecendo professores. Esforçados em misericórdia e mal remunerados, são traídos retirando-lhes tempo e pedagogia dos alunos normais, não atendendo nem estes, tampouco os especiais. Agregando aprovação automática, emblemática audiência dum falso IDH. Concomitante seduzindo outdoor Black Friday, consumo eleitoral. Aliciados indoor desde dezesseis adolescentes anos, crentes agentes sociais.

Empresas conceituadas, atraídas na teia – não podendo vencer, una-se – anterior. Estabelecendo peculiares relações trabalhistas, onde “aqui o jovem é ouvido”, criando como sazonais liquidações de shopping: Short Friday, bem como horários (start) flexíveis e jornadas caseiras...
Diretores podcaster usam jeans e camiseta, etiqueta stand-up em bandejões, alegando necessária integração aos colaboradores Y. Afinal, estes não mais submetidos ao ultrajante disciplinado trabalho, querem visibilidade da vaidade substituta num molde profissional ao seu epicurismo fomento. Lamento os futuros pleitos trabalhistas? Controles de login e webcams farão prova jurídica? Belas imagens virtuais Geração Y. Onde você é bonito porque é respeitado, ou é respeitado porque é bonito?


José Carlos Paiva Bruno OABRJ 73304

QUEREMOS MAIS DO QUE SER UM PAÍS DO FUTEBOL

                            

.
O tema principal, era dar ao Brasil para o Mundo, como o País do futebol, mostrar que esse esporte, é uma significante imagem de referência turística nacional, que essa imagem vai proporcionar um legado econômico como, infraestrutura para geração de empregos e um dado muito importante ao calendário da historia universal.
 Fiquei emocionada e orgulhosa com a  força do Hino Nacional,  no início do último jogo na Copa das Confederações onde fomos campeões, a emoção de estar juntos em um mesmo ideal, mostra que nesse momento não existem diferenças com relação a raça, religião ou credo, vi que todos comungaram com uma só ideia demonstrar que estamos preparados, não apenas para  conquistar título, mas precisamos amadurecer com nova postura de brasileiros que devem estar preparados para atingir metas nas várias áreas como reurbanização,  transportes, comunicação, publicidade, gastronomia, hotelaria e etc...com a intenção de efetivas melhorias nesses setores para qualidade de vida para brasileiros e turistas.
A copa e uma oportunidade para introdução de novos valores para imagem de um país.  Mas o que realmente quero descrever, são minhas reflexões sobre o Simpósio da qual participei em S. Paulo 05/06/2013 FGV em S. Paulo

Embora tenham existido várias discussões sobre verbas e onde seriam mais importante o aproveitamento de nossos impostos, como educação, habitação e saúde, o que se espera é que com a realização da copa 2014 no Brasil, cria-se a vantagem das políticas públicas para cumprir metas nas várias áreas como reurbanização  transportes, publicidade, com a intenção de efetivas melhorias para qualidade de vida para brasileiros e turistas.
A copa e uma oportunidade para introdução de novos valores para imagem de um pais como Exemplo a Alemanha que teve o conceito da Copa Verde.
O investimento para uma permanência futura, com a intenção de um retorno garantido e uma conclusão de que os 700 clubes e uma realidade efetiva de que o futebol representa um grande potencial no Brasil.

O tema principal, era dar ao Brasil para o Mundo, como o País do futebol, mostrar que o esporte principalmente o futebol, e uma significante imagem de referência turística nacional, que essa imagem vai proporcionar um legado econômico como , infraestrutura para geração de empregos.
Fiquei emocionada e orgulhosa da força do Hino Nacional,  no início do último jogo na Copa das Confederações onde fomos campeões, a emoção de estar juntos em um mesmo ideal, mostra que nesse momento não existem diferenças com relação a raça, religião ou credo, vi que todos comungaram com uma só ideia demonstrar que estamos preparados, não apenas para  conquistar título, mas precisamos amadurecer com nova postura de brasileiros que devem estar preparados para atingir metas nas várias áreas como reurbanização,  transportes, comunicação, publicidade, gastronomia, hotelaria e etc...com a intenção de efetivas melhorias nesses setores para qualidade de vida para brasileiros e turistas.
A copa e uma oportunidade para introdução de novos valores para imagem de um país.

O Rio de Janeiro por suas características próprias, tem um grande referencial para atrair turistas internacionais, e importante que  com essa oportunidade sejam promovidas políticas públicas para dar o devido valor a essa imagem que já tem a simpatia internacional, tanto na arquitetura, infraestrutura e divulgação das ações direcionadas ao bom aproveitamento das verbas com um planejamento na base, citados os exemplos de Barcelona e Londres, que conquistaram em suas copas um legado nas três vertentes;
Físico, Sócio Econômico e Cultural  e necessário, que se invista nos Aeroportos, transportes, logísticas e informação que possam  mostrar nosso orgulho pela pátria, não só nos esportes, mas  também em outras direções.

A Cidade do Rio de Janeiro, "Obra Prima" tombada como Patrimônio da Humanidade, cede das comemorações Olímpicas de 2014, que o conteúdo Social e uma oportunidade de divulgar para população nossa imagem de Cidade Maravilhosa Patrimônio da Humanidade



A premissa, e agregar valores simbólicos com respeito e alegria, sejam a quais forem  os  resultados na participação dos países dessa copa, que nosso país possa mostrar aos convidados o quanto nossos valores estão inseridos nessa competição, utilizando a oportunidade de divulgar nosso corredor cultural informações, que contenham conteúdo que possam nos orgulhar que sejam divulgados.
Para isso, é necessário que se implante veículos de comunicação de forma simples, para que possam ser assimiladas com simpatia a difusão cultural de todos os acontecimentos na ordem que se apresentar no calendário olímpico, permitindo que os visitantes possam estar em todos os acontecimentos com conhecimento geográficos, locomoção, datas e horários de forma lúdica, permitindo que sejam abertos todos os canais de entretenimento, como uma proposta efetiva com a colaboração de empresas públicas e privadas.
Com o evento olímpico devemos utilizar a oportunidade para expressar os valores culturais de nossa cidade, fato importante para o desenvolvimento sustentável e o reconhecimento de nossa identidade cultural que segundo Renato Ortiz, cultura brasileira e identidade Nacional, mostra o desejo da compreensão simbólica no interior de uma sociedade e seu desenvolvimento político social. 
 Com a globalização, dá-se o encontro das várias vertentes culturais perfeito para orquestrar essa cidade viva funcionando nesse grande evento Cultural.

Onde a comunicação e a ferramenta mais importante para contribuir e impulsionar a simpatia e o fortalecimento cultural em todos os envolvidos nesse encontro onde a sociedade como um todo estará com o mesmo pensamento filosófico " Ser Carioca"

Temos que utilizar esse ambiente propicio,  que tem como escala a Nação, para canalizar o fermento de transformação  juntar a essas propostas a divulgação de nossa cultura, que começou em nosso país com a revolução de 1930 segundo texto de (Antônio Cândido) SP., Ática 1987, quem viveu nos anos 30 sabe qual foi a atmosfera de fervor que caracterizou no plano da cultura, esse movimento de mudanças radicais para nossa história, então hoje temos jovens que pela primeira vez se manifestam por um Brasil melhor para si e para seus descendentes, é importante utilizar esse   eixo  principal onde estamos sendo divulgados em outros continentes, para transformação e divulgação da cultura brasileira, esse é o momento de nos apropriarmos dos elementos dispersos para dispô-los numa nova configuração.

Os jovens devem aproveitar esse momento de reflexão para exigir com veemência provando que  estão preparados para adquirir conhecimento  em todas as classes sociais, não apenas a cultura popular que assola o país, muitas vezes com cartas marcadas sem mostrar nossa verdadeira cultura popular proveniente de nossas histórias com relação a miscigenação, o que vemos em grande parte é uma proliferação de culturas fabricada sem um mínimo de  respeito ao ideal de uma nação, é necessário saber como é importante ter como base uma sociedade mais intelectualizada em respeito  aos seus cidadãos.

Cultura erudita como formação de uma sociedade equilibrada, essa é a melhor forma de socializar e enriquecer nosso universo cultural como o direito de conhecer a história e  suas raízes sedimentadas em nosso território, uma riqueza que vem de nossa eclética  identidade cultural vindas das mais variadas origens de imigrantes de outros continentes, juntando-se aqui com nossos índios e suas culturas milenares.

Foi em 1930 que surgiu um marco histórico daqueles sentiram vivamente que houve um "antes " diferente e um " depois", que proporcionou um movimento de unificação cultural.

É importante que essas condições quanto as verbas impulsione as ideias dando oportunidades para realizar difundir e normalizar uma série de aspirações, inovações no nosso atual contexto cultural e literário, para que também a partir desse encontro mundial em nosso território, aconteçam com alegrias um "antes e um promissor "depois" para os jovens dessa geração.

Para isso é necessário um movimento orquestrado com o desejo de uma reflexão em todos os sentidos. Deixo aqui, o que pude observar nesse encontro passei para o leitor e que se possam discutir as questões sobre utilizar com respeito as verbas  que  foi discutida para esse evento, nós artistas plásticos, escritores, professores e produtores culturais,  com toda  razão, temos o direito de participar em sintonia com as decisões dos governantes e empresários, para que ocorram excelentes acontecimentos culturais em nosso país, e que nessa oportunidade, para semear uma base histórica e cultural além do futebol, nós já amadurecemos e sentimos que estamos mais exigentes, pois o número de brasileiros que nos últimos anos diversificaram seus conhecimentos através de outras culturas deu um novo perfil de exigências, e o desejo de que aqueles que ainda não galgaram o patamar possam através do conhecimento, ter opções e escolhas para decidir seus próprios anseios de um país melhor, queremos sim continuar a ser o país do futebol, mas queremos bem mais.


Maria Araujo

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...