vendredi 10 janvier 2014

Sentimentos Confiscados

Todo escritor vai percebendo, ao longo da sua carreira literária, a cada novo livro, detalhes que antes não considerara atentamente na estruturação física da obra. Começo a minha primeira resenha do ano, admirando-me perante a singeleza e expressividade que uma capa é capaz de imprimir à um desabafo escrito. Tal qual o príncipe que abandonou tudo para contemplar a própria alma refletida na pequena piscina de um oásis, retratado no filme "Bab'Aziz", do diretor tunisiano Nacer Khemir, a moça da capa parece efetivamente enxergar na clareza e transparência do mar um video-tape da própria vida.
E é isso o que Jacqueline Aisenman faz magistralmente em seu décimo livro (espero ter acertado na conta), "Sentimentos confiscados", que tem por um lado, a autenticidade histórica de um diário adolescente e por outro a despreocupação cronológica do experimentalismo poético. A obra vem a ser um apanhado de textos curtos e mini-contos sem quase nenhuma ligação entre si, aleatoriamente ordenados, casualmente aproximados, deliciosamente misturados. Esse formato tão peculiar, convida os navegantes à uma degustação pausada, despreocupada e sem maiores compromissos com prazos de entrega. Tal liberdade de estilo, própria de uma autora vacinada contra toda espécie de convencionalismos intelectuais, sopra-nos uma suave brisa, que transporta as nossas atenções para o que realmente importa: Entender as raízes dos nossos sentimentos. (mesmo que isso seja praticamente impossível)
A intuição feminina à flor da pele dessa catarinense de Laguna, lapidada pelo divino dom da maternidade, confere-lhe uma autoridade ímpar nas coisas da vida, presenteando o leitor com impressões pessoais algumas vezes provocantes. Somos amorosamente estimulados, á cada texto, à revermos as nossas próprias verdades intocáveis, que permanecem preguiçosamente repousadas naquele compartimento interno chamado entendimento. Jacqueline, sem a pretensão de impor dogmas existenciais, convida-nos à uma pausa na insana correria do dia-dia, através de pequenas histórias e reflexões intimistas mas de fácil assimilação. É esse, segundo penso, o principal compromisso que devem assumir os apologistas da democratização da escrita, simplificando toda excessiva frescura que afaste novos leitores.
No livro, em doses condensadas, encontramos crônica, romance, comédia e drama, numa insofismável demonstração das múltiplas ramificações criativas da escritora, que parece de fato não se importar em fazer parte exclusiva desse ou daquele gênero literário. São os seus sentimentos, e nada mais, quem ditam-lhes a próxima trilha à seguir e a maneira de se expressar perante as próximas páginas ainda em branco. De Jacqueline, com efeito, podemos esperar com grata expectativa, o inesperado.
Tomo a liberdade de colocar "Sentimentos confiscados" na categoria das obras fadadas á serem lidas e relidas. Chegamos à última página com a sensação de termos mergulhado fundo nas recordações pessoais de uma amiga, passando a admirá-la e conhecê-la melhor. Intimidade, transmitida com tamanha fluidez, poucos conseguem fazê-lo. É coração na ponta da caneta.



Cesar S. Farias








Encomendas: atendimento@designeditora.com.br

INVENTÁRIO

(Curta prosa poética de janeiro)
A vida é longa – às vezes
a vida é curta – sempre
a memória dura.
Na parede, um retrato – tantos nomes, tantos rostos,
bigodes, barbas, bonés, tudo o mais.
No coração, o verso de Manuel Bandeira:
“A vida inteira que poderia ter sido e que não foi”.
(Serão os sonhos abortados dos nascidos no pós-guerra?)
É tudo memória.
(Nada de novo perto do sol.)
E nasce o dia – caminhas: verdes, mangas, jacas, amoras, pássaros cantando,
E uma criança sorri para ti.
A vida inelutavelmente finita – ela é assim mesmo, sem  (mais) sonhos napoleônicos.
Há algo maior do que este naufrágio.
Há?
“Tudo ressurge quando tem calor.”
(Miguel Torga)

Brasília, janeiro de 2014 


Por Emanuel Medeiros Vieira

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...