lundi 1 décembre 2014

Crônica da Urda

MEU PRIMEIRO UNIVERSITÁRIO

                                    Lembro que o meu pai comprara areia fina para fazer alguma obra lá em casa, e a areia estava amontoada num quadrado de terreno, junto à cerca, esperando a vez de ser usada. Impossível lugar melhor para brincar, e lá estava eu, mexendo na areia, quando... quando... céus, algo estava acontecendo!
                                   Naqueles idos de 1964 os homens usavam cabelos bem cuidados, com ondas fixadas à Gumex, como o meu pai, penso que por conta de James Dean ou já de Elvis Presley – a exceção eram os soldados, que cortavam o cabelo à escovinha, obrigatoriamente, e quando a gente via um rapaz com os cabelos assim, já se sabia que havia ido para o exército.
                                   Brincava eu na areia, naquele dia, quando alguém atípico veio andando, subindo a rua, e não era nem um homem usando Gumex e nem um rapaz do exército: tratava-se de Francisco Moacir, irmão do meu amigo Braz dos Santos, filho de uma senhora muito querida chamada Dona Alvina, que morava mais adiante, na nossa rua. Era um moço circunspecto e sério, que passava todos os dias por ali andando compenetradamente, e imagino hoje que mundos não teria dentro da sua cabeça para caminhar assim com toda aquela seriedade.
                                   Não seria estranho ele passar ali, já que o fazia diariamente, caso ele não tivesse sofrido uma abrupta mudança: apesar de já não ter idade para ser um rapaz do exército, tivera os cabelos cortados rente à cabeça, e estava usando um bonezinho que na minha lembrança era azul, onde estavam escritas as palavras “Ciências Econômicas”. Deixei a areia escorrer dentre os dedos enquanto o observava passar com a mesma circunspecção de sempre, olhos fitos lá adiante, alguém que se tornara tão diferente de todo o mundo que eu acreditaria que se tratava de um extraterrestre, se tal me fosse dito.
                                   Imóvel sobre o monte de areia, fiquei tentando entender o que acontecera, o porquê daquela perda de cabelos, o que era aquele bonezinho azul tão diferente, o que seria “Ciências Econômicas”. Conhecia a palavra “economia”, que era uma coisa que a minha mãe praticava diuturnamente, mas essa expressão nova me parecia muito misteriosa e sem nenhuma ligação com a vida real.
                                   Decerto, como eu, muita gente da nossa rua Antônio Zendron e do nosso bairro Garcia e do nosso mundo tacanho em geral ficou impressionada e curiosa com a novidade que se nos apresentava o circunspecto Francisco Moacir – o que era aquilo? Em breves dias as notícias circularam e chegou a informação: nosso vizinho tinha “passado no vestibular”, ”entrado na faculdade”, pois agora Blumenau tinha uma primeira faculdade, coisa que não sabíamos exatamente o que era. Faculdade era uma coisa de estudar, ficou-se sabendo, mas nada era muito claro. Pouco sabíamos sobre estudos – na verdade nós, gente comum, estudávamos por quatro anos – aos 11 anos estávamos saindo da escola, e esperávamos em casa completar os 14 para ir para a fábrica, as meninas ajudando a mãe e bordando o enxoval; os meninos, matando passarinho a bodoque ou funda e incomodando os vizinhos. Esta era a regra – não sei como fui exceção; talvez minha âncora para a grande e diversificada viagem da vida tenha sido os muitos livros que lia continuamente, na inesgotável fonte que era a Biblioteca Pública Municipal Dr. Fritz Muller, meu sonho de consumo desde a primeira infância.
                                   Uns poucos privilegiados, filhos de gente mais poderosa, normalmente donos de muitas terras e vacas, estudavam contabilidade no Colégio Santo Antônio ou faziam o curso complementar, em dois anos, o que os transformava em professores, e que era direcionado preferencialmente para as moças. Ricos, ricos mesmo, notadamente os donos das grandes indústrias, pois tal já tínhamos, estudavam em lugares misteriosos como a Alemanha ou o Rio de Janeiro, mas o que estudavam lá? Não tínhamos noção do que seria uma universidade e não nos ficava claro o que faziam os tais herdeiros de fortuna em tais lugares distantes – apenas tínhamos a informação de que gente rica ia para fora para estudar.
                                   Portanto, era uma surpresa total essa coisa de que agora havia uma faculdade em nossa cidade, coisa tão próxima que até um rapaz da nossa rua podia frequentar – mas por que será que tivera o cabelo raspado, e o que era um vestibular, e o que eram ciências econômicas?
                                   Acho que elucidei muitas coisas a respeito através dos tantos romances que lia, onde pessoas acabavam indo para faculdades – para muita gente da minha rua, no entanto, penso que a névoa do mistério perdurou até o fim das suas vidas, pois sei de muitos que acabaram morrendo, um dia, sem acreditar que em 1969 o homem estivera na lua.
                                   Andei me informando, agora, o que aconteceu com o filho de Dona Alvina e irmão do Braz, o Francisco Moacir dos Santos, aquele meu primeiro universitário, que, faz cinquenta anos, entrou na minha vida com seu bonezinho azul, trazendo atrás de si todo um rol de novidades que iria mudar tantas coisas para tantos de nós: formou-se, constituiu família, está vivo, hoje morando no Rio de Janeiro.
                                   Que bom saber dele, daquele moço mais sabido e mais corajoso do que todos nós outros, tão sabido que foi da primeira turma da primeira faculdade da FURB, que soube segurar a vida com as mãos e dar aquele grande passo que o tirou do nosso mundo pequeno e escuro. Faz cinquenta anos neste ano que um primeiro universitário apareceu na minha vida, e parece-me que ainda estou sobre aquele monte de areia, pasma com a sua aparição andando circunspectamente rua acima! Bem que gostaria, hoje, de lhe dar um abraço!
                                   Lá de algum lugar, Dona Alvina deve estar vendo esta minha vontade!

                                   Blumenau, 08 de Agosto de 2014.

                                   Urda Alice Klueger
                                   Escritora, historiadora e doutora em Geografia pela UFPR.


ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...