mardi 7 octobre 2014

Muralhas desnudas

 Por Luiz Manoel

Multiplicam-se no chão
Pedras irmãs desiguais
Multicolores sem fim
Desencadeadas em matizes
Opacidades e brilhos
Tristemente soluçam
Em caos e abandono
Valha-nos poeta suplicam
Transforma-nos em palavras
Agrega-nos com teus sentidos
Edifica-nos em poesia
Expõe-nos em riqueza
Revela-nos ao mundo
Na beleza dos teus versos
Em muralhas desnudas
Ao fim do teu labor
Em teu sublime cansaço
Erguerás tua taça em brinde
Enquanto quieto

Nosso nascedouro



ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...