mardi 7 octobre 2014

GUANTÁNAMO

 
=========================================
            EMANUEL MEDEIROS VIEIRA
Guantánamo não é um retrato na parede
Guantánamo fede
Guantánamo não acaba
E ninguém mais se lembra de Guantánamo
As pessoas foram torturadas, morrem esquecidas.
Os “outros” são sempre os perversos.
E Guantánamo sobrevive.
Sim, não é um retrato na parede.
A “América profunda” não quer que a prisão acabe.
As pessoas mofam e morrem sem julgamento ou processo.
Não, não falo em impunidade – falo em justiça
E justiça não é vingança.
Mas Guantánamo não morre
Mas cheira mal, mesmo no esquecimento
Guantánamo  é “aqui” também:
Na indiferença, no “não tenho nada a ver com isso”.
E Guantánamo vive,
 E só me restam palavras, lugares-comuns
(e a contemplação do mar)
 Ah, Guantánamo

(Salvador, setembro de 2014)

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...