mardi 1 avril 2014

Entre Platão e Aristóteles




                                                                                                             ... Ivo viu a uva...
                                                                                                Não viu a caverna de Platão!
                                                                                                                 Ivo viu a uva...
                                                                                         Não viu, de Platão, o ser das coisas
                                                                                                       De imediato e com razão ...

                                                                Platão descobre nada menos que a Ideia,
                                                                Mas também que Ideia quer dizer figura,
                                                                Aspecto, ou forma, como em Aristóteles,
                                                                E ambos aqui se igualam sem mistura...


Qual, pois, o problema com o qual Platão tem de se haver? Com o mesmo que a Metáfísica vinha levantando desde Parmênides: O do Ser e do não- Ser. Um século e tanto o filosofar helênico lutara para resolver a complexidade de entender, a aporia, dificuldade em tornar compatível o ser – Uno, Imóvel e Eterno, com as coisas múltiplas, variáveis , perecíveis. Como há de acontecer? O que Platão descobrirá, ao que chegará? Dificílimo durante tanto tempo caminhar, mas , agora, o filósofo vai apontar : Platão busca o Ser das Coisas.
Destacou, desta forma, a causa, o motivo, o acontecimento do Ser como a solução, porém, é radical e à primeira vista paradoxal.
Em primeiro lugar, Platão descobre que as coisas propriamente não-são. Se ao olhar um quadro verde, não é completamente verde, têm tonalidades disfarçadamente diferentes, a folha branca é quase branca...

Platão genialmente, mas convincente, acha a charada e ela vai ser decifrada : se o verde é quase verde e o branco quase branco, ao Ser e a Coisa seja como for, Platão chama de Ideia. A ideia tem que ser que o verde e o branco, as coisas têm , forçosamente, que ser a Ideia exata, em si mesma, idêntica completamente, definida e certa, não aparência nem deficiência. Definir importa o que é verdade em seu aspecto exterior com igualdade, sem engano, sem ilusão, ligado ao interior de si. Quem carece da ideia do que quer que seja, não conhece . de imediato, o que é o Ser. Assim, Platão analisa o Ser das Ideias...

                                                                                      O menino que tem, agora, a uva,
                                                                               Sabe o que é uva, sabe quem é Ivo...
                                                                                Assim também Ivo sabe o que é uva
                                                                               Que a uva tem várias cores, mas é uva...
                                                                                                     E Ivo é sempre Ivo...

Com Platão e com seu discípulo no jardim, no pomar da casa verdejante e brancamente exata de Academus, temos Aristóteles. Posteriormente, no D.C, Platão no Plotinismo, no Platonismo de tantos, no Agostinismo, é o maior, é o melhor. Mas, também, no futuro, entre os séculos 12- 13 D.C, o arabismo e  tomismo proclamaram Aristóteles mais sólido, mais firmado, mais pelo Real, um realista. 
Com Rafael, no quadro da Renascença, Platão aparece com Aristóteles. O primeiro com o Timeu e apontando o Alto, a Ideia, o Ideal; o segundo, com a Ética mostrando a terra, o chão, a Realidade à sua frente. Sem descermos, senão ligeiramente, ao fundo do aristotelismo, o que mostra o que veremos, analisaremos?  O Real, a Realidade!
Sabe-se que Aristóteles não era um grego puro e sim um macedônio, com fortíssima influencia grega, não só na academia de Platão, mas também no seu Liceu.
Em ambos, como nós na Bahia, cada um sorria e vangloriava- se, embora realística e professoralmente,  Aristóteles, desgraçadamente, fosse escravagista...
Aristoteles, ao iniciar a sua Metafísica ( Tá- Metá-Phisiká), coloca a questão do saber por excelência, a Filosofia Primeira. Destaca, sobretudo, a experiência , a Empeiria –“ Experiência das coisas”, destaca o saber mais elevado como a arte de fazer, a arte de curar, a arte de verificar, chamada exatamente com o nome de Técnica ou Tekhnites, o perito, o erudito que aplica completamente, que sabe fazer as coisas, ensinar e do verificável chegar ao verificado.

Averróis, árabe ; Tomás, cristão; no futuro D.C serão muito mais aristotélicos do que platônicos. Por que? Porque ele ( Aristóteles) une Tekhné e Empeiria, sobretudo no caso de cura pela medicina, e já então olhando o médico Lamartine Lima e os doutores, e outros que tais, técnicos...

Platão é pela beleza que, em latim, é forma, o que é belo é formusur, não de usus, também de specie, eidos, ou Ideia, Ideia que essência de uma coisa entre “ seu bem”, “bem seu” em sentido grego.

Deus é assim para Platão : bondade, beleza, verdade. Ideia plena. Para Aristóteles, o ser divino é Theos e daí só a ciência teológica para mostrar e concordar que o Ser por excelência age pela práxis ( ação, atividade, movimento e movimentado, motor imóvel que move tudo e todas as coisas e não pode, logicamente, ser movido por coisa alguma).
Para ambos, Deus é o próprio Ser, o Fazer, Atividade, Energéia. Para Platão, Deus é pensamento de Pensamento. Para Aristóteles Deus é real e realista porque o seu próprio objeto e sua Essência e Existência ao mesmo tempo. Essência e Existência nele é unidade, pois Ele é o Uno.

                                                                                         Então, a Ideia do Ser é Platão.
                                                                                                 Então a realidade e o Real
                                                                                          Imbricam-se em Aristóteles...
                                                                                                        Por isso Ivo viu a uva.
                                                                                                     A uva mostrou-se a Ivo!
                                                                             Aristotelicamente, Ivo provou da uva 
                                                                                                                E viu que era real.
                                                                                   Mas, ideal para o prazer do gosto.

Terminemos e não poderíamos citar as grandes obras de Platão e Aristóteles e entre um e outro, todos os filósofos ficaram sempre e sempre permanecem neles.

                                                                                        Para que pensemos alegres
                                                                                            Entre Platão e Aristóteles
                                                                                       Só se Ivo, pelo gosto da uva,
                                                                                                 Fizer-nos ouvir música
                                                 E muita música, somente música para elevar-nos,
                                                                                   Com equilíbrio, musicalmente.



Germano Machado, 29 de março de 2014 ,  Professor aposentado da UFBA ( Universidade Federal da Bahia)  e da UCSAL ( Universidade Católica do Salvador) . Fundador do CEPA – Circulo de Estudo Pensamento e Ação- Movimento Educativo-Cultural. Membro das Academias Mater Salvatoris, de Letras e Artes do Salvador e Baiana de Educação. www.cepabrasilba.org.br

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...