lundi 3 février 2014

AVE DE RAPINA



                                       AVE DE RAPINA
                            EMANUEL MEDEIROS VIEIRA
                            
                            ... “E agora diante do oceano exato e visível, diante do grande mar prosódico, nada sei sobre a travessia. Após tantas viagens, está é a última fronteira que me cabe transpor.”
                                                (LI)
                            A AVE BICA, BICA,
                            FAZ SANGRAR, NÃO LARGA A PELE – PRENDE.
                           (URUBUS ENCHEM LIXÕES
                           COMO ESTERCO GLOBALIZADO)

                           NADAR CONTRA A CORRENTE É PRECISO.
                           HÁ UMA NASCENTE – ÁGUA, ESPERANÇA, E O RIO SEGUE  – 
                           –, ALÉM DE TI, ALÉM DA TUA VIDA E DE TODAS AS
                           OUTRAS.
                           E PARA SEMPRE: O MAR.

                            (Brasília, janeiro de 2014)

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...