mardi 8 octobre 2013

ESPIRITUALIDADE

Trabalho realizado pelo Grupo do Varal no Facebook e organizado por Alexandra Magalhães Zeiner: https://www.facebook.com/groups/varaldobrasil/



Autoras:
Mary Braga, Silvana Brugni, Flavia Assaife, Carmen Di Moraes, Inês Carmelita Lohn,  Jacqueline Aisenman, Alexandra Magalhães Zeiner, Sandra Nascimento, Isabel Vargas, Dulenary Ana Rosa, Norália Castro, Júlia Rego, Rita Pea
Arranjo do texto:
Alexandra Magalhães Zeiner

Todas tinham chegado, Ela apenas precisava olhar ao redor e ver na face de cada uma a dor que estava sentindo. Muitas sabiam da sua partida inevitável, umas achavam por bem ignorar os sinais e outras, serenas e tranquilas, estavam reunidas ao seu redor.

As janelas abertas anunciavam uma leve brisa, conhecida naquela época do ano, final de um longo inverno, mas que lhe causou um leve calafrio…Imediatamente Clara, a escolhida, tratou de segurar sua mão, transmitindo a mensagem de que todas estavam presentes. Palavras eram desnecessárias entre elas…

Ela fez um esforço enorme para levantar-se e Clara, sabendo que este era o sinal, a apoiou nos travesseiros que emanavam o cheiro de alfazema. Foi como se uma tênue corrente de eletricidade  passasse pelo ambiente.
Depois de uma pequena pausa, Ela falou pausada e vagarosamente:

“Em reverência agradeço, ao reconhecer que a espiritualidade é uma apologia à alma. Nesse momento, que a luz divina possa iluminar e aquecer nosso espírito.”

Todas sentaram ao seu redor, esperando que Ela continuasse, pois aquele era o sinal…

“Ser espiritual é viver com a terra e não somente sobre ela. É estar com os sentidos atentos aos sinais invisíveis – que são pura energia que transita no Universo. É saber que é na mente que reside a inteligência e a alma – centelha que Deus depositou em cada uma de suas criações! Lembrem-se  de ouvir a Deusa e o Deus que existe em cada um de nós...”

Clara sentiu lágrimas quentes queimando sua face, ela tinha sido a primeira a ouvir o sinal…Respirou fundo continuou a ouvir:

“Saibam que não estamos sós, e que o nosso deus recebe uma luz superior... indiferente a crenças, seitas, dogmas ou religião... É que acontece coisas além da nossa compreensão, que jamais conseguiríamos sem a nossa espiritualidade... Tenham fé, e acreditem no despertar da consciência... na busca do verdadeiro Deus dentro do nosso coração...A espiritualidade desabrocha quando a mente e o coração descansam, deixando fluir a verdadeira conexão que existe entre o nosso ser e o universo.”

Uma chuva fininha comeҫou a cair…Ela sabia que seu tempo passava, mas naquele presente, eterno momento, que alimenta cada ser, estavam ali reunidas todas pupilas que acreditavam e se deixavam levar pelo rio da vida no planeta  Mãe Terra...Todas ali presentes tinham aprendido e estavam ensinando durante esta passagem pela vida. Assim, respirando fundo continuou:

“Espiritualidade é a linha tênue que liga a alma a Deus. Um vínculo entre a criatura e o Criador. Habita a mente, a consciência, o coração... é a essência que liga o ser humano a energia cósmica, a Deus, ao outro ser e que revela a sua importância e a sua responsabilidade perante o todo, ou seja tudo que ele faz repercute em si mesmo, no outro, no universo. Um processo que envolve crença, fé, postura de vida. Somos todos seres espirituais, conectados entre si pelos elos da corrente que nos une no eterno ciclo da experiência humana. Cada ser e cada ação tem o poder de mudar o mundo, praticando o bem como seres terrenos, deixamos a espiritualidade ligar nossa alma ao cosmos.”

Enquanto Ela falava, algumas de suas pupilas choravam, outras sorriam,  e outras mantinham os olhos fechados, em meditaҫão profunda…Somente Clara mantinha-se ao Seu lado, segurando a mão frágil, consciente de tudo ao seu redor…Mais uma vez ouviu a voz doce acrescentar:

“Espiritualidade é buscar conhecimento do sagrado, para reverenciar e se integrar sempre, no mundo o qual eu estou e eu sou… Ainda assim é um infindável mistério que nos faz acreditar que a vida não se esgota em um corpo físico. Partirei, mas saibam que  encontro na Natureza, o refugio para a minha alma. Renovar-me-ei através do mar, do vento, das arvores, da Luz...”

E fechando os olhos cansados, Ela expirou. Clara ainda sentiu o último tremor das Suas mãos e ao olhar pela janela viu que a chuva tinha parado e um arco-íris anunciava Sua passagem para o outro lado.


Exposição


VIAGEM LITERÁRIA

VIAGEM LITERÁRIA TRAZ EM OUTUBRO ‘CONTAÇÃO DE ‘HISTÓRIAS’ COM A ESCRITORA LÍDIA ENGELBERG



O Programa Viagem Literária, conhecido por estimular o hábito da leitura por meio do contato direto com o autor, está de volta no mês de outubro com o módulo ‘Contação de Histórias’. E nesta edição, a Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim receberá no dia 14, às 9 e às 14 horas, a escritora Lídia Engelberg, na Rua Cunha Moreira, 71, no Centro.
No encontro a escritora falará sobre ‘Causos e Historietas’, trata-se de histórias retiradas da malícia e da mansa sabedoria do caipira. Além disso, haverá também uma deliciosa dose de assombração com as narrativas dos livros: ‘Gretel’ A esperta’, ‘A Peleja do Violeiro Magrilim com a Formosa Princesa Jezebel’, ‘A Casa do Bode e da Onça’, ‘Matinta Pereira’ e ‘Lobisomem’.
Lídia Engelberg é atriz e contadora de histórias. É mestre em Educação, Arte e História da Cultura. Desenvolve trabalho de pesquisas para a Educação de Jovens e Adultos (EJA). Narra contos em livrarias, escolas, bibliotecas, teatros e unidades do Sesc. Participa de programas e projetos da Secretaria Estadual de Cultura de São Paulo e realiza oficinas sobre a arte de contar histórias para educadores, profissionais de bibliotecas e interessados em geral.
VIAGEM LITERÁRIA - Programa Viagem Literária é uma parceria entre a Secretaria de Estado da Cultura e as bibliotecas públicas das cidades, com produção da Associação Paulista de Bibliotecas e Leitura (SP Leituras). A programação é gratuita e aberta ao público de todas as idades.

As escolas interessadas devem agendar com antecedência sua participação. O contato deve ser feito com a Biblioteca Municipal através do telefone (13) 3426-1477.

Elogio às Mamas


Clevane Pessoa


Brotos mamários,
quais botões de promessas,
em primavera plena de promessas
frutos e de flores suculentas...


À menstruação, alguns, cheios de sensibilidade
ficam levemente doloridos
e há que ter cuidados ao tocá-los
quando nas veias
cavalgam selvagens cavalos.

Várias formas, erguem-se no prazer,
o sangue flui, túmidos objetos de desejo,
bicos sugados, areólas maiores,
a pele arrepiada e sensível
mostra eritemas depois do orgasmo.

Taças de vários matizes,
onde rios feitos raízes azuis,
deixam correr o sagrado leite...
Amamentação :momentos de intimidade
entre mãe e filho, em simbiose
-desde que a criança ainda não sabe
que ela não é sua extensão,
mas a primeira memória da mulher-a cuidadora
que mais tarde inspirará as mais nobres formas de amor.

Seios são cavidades, mas os poetas adoram
essa palavra deliciosa, a pensar
nos pequenos montes de carne
que acendem a volúpia.

As Amazonas, diz a lenda,
decepavam um dos seios para melhor acomodar
a aljava, o arco para atirar,
nem por isso, eram menos mulheres:
continuavam soberanas
a procriar e a escolher
os pais de seus filhos.

Súbito, um sinal que cresce, um caroço,
suspeita, medo, agulhamento, biópsia.
E começa o teste para a feminina alma aguerrida:
lançam-se ao tratamento, corajosas
e em busca da cura plena.

Os que as cercam, são aconchego, motivação e segurança
e é por isso que tantas mulheres,
com câncer de mama,
vencem o monstro escondido,
flor de carne carnívora
que cresce em seu seio.
Pacientes, lavam o rosto
com as lágrimas de um medo
que significa deixar entes amados.
E mandam mensagens de luz lilás
às suas células sãs,
para que não descansem,
Para que que vençam
todas as batalhas.

Comovida e tocada em meu self feminino,
envio toda a energia curativa que puder,
às irmãs em sofrimento, para que possam vencer
tamanho desafio imposto à mulher.
Adiantada, a Medicina dá as mãos
a essas guerreiras
as profissões paramédicas fortalecem-se
a serviço da recuperação
e um dia, o pesadelo acaba.

O segredo da redução
do alto número de câncer nas mamas
é a prevenção, o auto-exame,
os saberes hoje perfeitamente
ao alcance das mulheres.

Espalhe tudo que sabe, quais sementes
que manterão floradas
em todas as primaveras.
Apoie quem necessitar de força.
Irmane-se a essas criaturas com útero,
onde são geradas as continuidades ,
as esperanças , a família, o amor incondicional.

Não deixem que se torne tarde demais,

Façam a sua parte...

Clevane Pessoa
Embaixadora Universal da Paz (CUAP-Genebra, Suiça/Orange-França)

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...