samedi 14 décembre 2013

CRISTO


                                   NA FESTA, ESQUECERAM DE TI


                                   (Reflexões natalinas não convencionais...)
                                   EMANUEL MEDEIROS VIEIRA
                                   PARA A MINHA FAMÍLIA/ PARA OS MEUS AMIGOS


                                   Não Te chamaram nas catedrais de consumo, fostes escorraçado
                                   no meio de pacotes, eletro-eletrônicos e celulares para a mamãe.
                                   O Papai-Noel é mais relevante que Tu.
                                   Quem quer saber de Ti?
                                   Serves apenas para enriquecer os supermercados universais da fé.
                                   ou Transformaram-te em pretextos para a vaidade de estrelas.
                                   Na quietude desta capela, não preciso dos padres fábios ou
                                   marcelos –  “Xuxas” da Igreja Católica.
                                  Esqueceram de Ti, no meio de um chester, de um peru, de um  
                                  panetone, de uma torta, de um vinho tinto, da confraternização
                                  compulsória.
                                  (E da ressaca do dia 25...)
                                 “Ele está azedo, amargo”. É? Olhem em volta.
                                  Um dia, voltaremos a expulsar os vendilhões do Templo. 
                                  Caíram no oblívio as palavras de Teilhard de Chardin: “Cristo
                                  não é só um acessório acrescentado ao mundo, um adorno, um
                                  Rei como os que nós fazemos, um proprietário (...). É Alfa e
                                 Ômega,  Princípio e Fim.”
                                  E Ele voltará para meditar no deserto.  
                                  Foi em vão o seu Sacrifício? Não: nunca será.  
                                
                                 Prefiro esta capelinha – ouvindo Canto Gregoriano –, com pessoas
                                 quietas, realmente orando, sem  carnavalização, gritos ou aleluias –
                                 então, subam em  trios-elétricos, e continuem com a enganação.
                                 Mas Ele Vive – apesar de tudo. Vive
                                 PS: Não tive a bênção de possuir a fé granítica dos meus irmãos
                                 e irmãs. O Paraíso? Para mim, é a memória afetiva que  
                                 deixaremos nos outros: pelo nosso trabalho e pelo nosso Amor.
                                 Feliz natal, camaradas!   
                                (Brasília, dezembro de 2013)              


ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...