vendredi 12 juillet 2013

Crônica da Urda

TEMPOS FELIZES 5
- Perderam meu cachorrinho - e Atahualpa ganhou uma segunda família!


(Excerto do livro "Meu cachorro Atahualpa, publicado em 2010.)

A casa 2 dele, seu segundo lar, é a casa da minha prima Rosiani.
                                   Tudo começou quando ele era ainda um filhote de pouco mais de meio ano e eu tinha que viajar na manhã seguinte e, desesperadamente, procurava onde deixá-lo, já que poucas horas antes ele tinha sido perdido pelo hotelzinho onde o deixara na maior confiança. Foi horrível. Deixei meu cachorrinho lá, crente de que estaria muito seguro, e pouco depois passei a me sentir muitíssimo angustiada querendo saber dele, e pus-me a telefonar, e o hotelzinho não atendia as minhas ligações. Para resumir, haviam perdido meu filhote – o coração mo havia contado – e além de não me dizerem nada, deixaram até de atender aos meus telefonemas.
                                   Aquele era um dia importante: estreava em Blumenau o filme ”Por causa de Papai Noel”, da cineasta Mara Salla, que havia sido baseado num livro meu, e eu deveria estar na estréia. Este fora o motivo porque deixara Atahualpa no hotelzinho na metade do dia, sendo que só iria viajar na manhã seguinte – e meu cachorrinho sumira!
                                   Resumindo ainda mais: na hora da estréia do filme, ao invés de eu estar no cinema, andava pelas ruas próximas ao hotelzinho chorando alto e gritando, desesperada:
                                   - Atahualpa! Atahualpa!
                                   Tive tanta sorte que o encontrei, numa casa onde boas crianças haviam se compadecido daquele filhotinho preto com frio e lhe tinham dado abrigo, e quando eu passei gritando o nome dele, ele veio até o portão, todo assustado, para dizer que estava ali. 
                        Mais um resumo: cheguei à Fundação Cultural, onde ficava o cinema, bem no momento em que o filme terminava e as pessoas vinham discuti-lo num coquetel, no lado de fora. Estava transida de chorar, abraçada ao meu filhotinho, e as pessoas do coquetel foram as que me consolaram e me sugeriram endereços onde ele poderia ficar. O problema é que deveria viajar para longe, bem cedo – conforme o coquetel ia terminando eu fui atrás dos tais endereços, mas todos os lugares estavam fechados. Em desespero de causa telefonei para a casa da minha prima Rosiani, e o marido dela, meu primo Germano Gieland me atendeu.
                                   - Traz teu cachorrinho para cá que eu cuido dele! – me prometeu.

                                   Nunca mais Atahualpa ficou em outro lugar que não na casa da Rosiani. Há que se saber que Rosiani tem três filhos, a Bruna, a Hana e o Mário Henrique, tem o cachorro Capitão, diversos gatos, e recentemente Bruna passou a ter, também, a cachorrinha Lana. Hoje Mário Henrique tem 13 anos, mas há dois e meio atrás ele tinha dez e foi dada a ele a responsabilidade de cuidar do Atahualpa, claro que sob a supervisão da Rosiani. Na verdade, no enorme terreno onde fica a casa da Rosiani, ficam também as casas dos outros meus primos irmãos dela, o Márcio, o Charles com sua mulher Cléia e o filho Ricardo, a Mayde, que é da minha idade mas que ficou viúva do meu compadre Nilo Guse já faz tempo e que já tem três filhos casados, morando só com a Aline, a caçulinha.  Então cachorro de apartamento, filhote com o único arrimo que era eu, Atahualpa ganhou, de uma vez só, toda uma grande família, e quando está lá ele fica como um peixe na água. O Capitão, o cachorro da Rosiani, mora num rancho mais ao fundo do terreno, enquanto que Atahualpa até hoje dorme no quarto de Mário Henrique e tem a mordomia do grande terreno com gramados e plantas, além de um monte de gente para agradar.


ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...