jeudi 29 mars 2012

Germano Machado na Academia de Letras da Bahia


Ele vai fazer 86 anos de idade, uma larga experiência de vida, intimidade com todas as filosofias, sabedoria jornalística invejável, uma poética amadurecida, apesar de tímida, uma personalidade leonina e uns “traços paranoides germaniano”, ao mesmo tempo, um coração muito grande e de ouro, para tantos filhos literários, para tantos alunos adotados e para quem tiver vontade e garra para aprender, ele só quer ensinar, nada mais que passar conhecimento, ele esta lá, sentado a sua cadeira, com seus livros a conversar e os jornais a beliscar cada palavra, de cada artigo e amadurecer cada vez mais seus ensinamentos, vá lá conversar com ele na Rua Souto Dalva, 98 no Barbalho, em Salvador, ele espera por você, quem tem sede de aprender não tardaria!

Ele tem vários livros publicados, tantas obras trabalhadas, um legado literário digno de um verdadeiro mestre, colaborador ativo da história jornalística e porque não dizer política e literária da cidade de São Salvador, do estado da Bahia. Por muitos anos respirou política, quando até defendeu uma vaga para Deputado Estadual na sua juventude, defendeu causas estudantis, levantou bandeiras, fundou movimento e faz parte da performance curricular cultural de cada integrante que já teve o prazer de ouvir sua fala, no seu, no nosso, da Bahia, do Brasil, do mundo e que pertence hoje a todos os cidadãos amante das artes, da cultura, das letras, da poesia, do cinema e da filosofia, o CEPA-Circulo de Estudo Pensamento e Ação, que não pode morrer!

Quero apresentar a todos em nome dos Movimentos Culturais como: a Fundação Òmnira, Movimento Artpoesia, Coletivo Fala Escritor, GAC-Grupo de Ação Cultural da Bahia, Projeto Alma Brasileira, Pense Poesia, Pós-Lida, UBE-União Brasileira de Escritores, Academia de Letras e Artes Mater Salvatoris, Academia de Cultura da Bahia, Instituto do Patrimônio Histórico e Geográfico e tantos outros, digo tantos outros mesmo, o mais novo candidato a uma cadeira na Academia de Letras da Bahia é o professor e escritor “Germano Machado” e que justiça seja feita...
Obs. Gostaria de trabalhar com todos, levar essa mensagem muito longe, fazê-la chegar na hora exata, no momento certo, pois já não nos resta tempo, para dar ao tempo, que não teve tempo de premia-lo com o seu devido merecimento no tempo preciso... Lutemos agora pelo seu devido reconhecimento e ainda não é tarde para que se repare um grande erro, que tenha sido um fato isolado ou um fator esquecido, não importa! Para que a verdade não seja esquecida e para que eu não me sinta sozinho nessa, demonstre seu apoio, isso será muito importante e quem conhece a verdade sabe o que estou dizendo... Que Jesus nos abençoe a cada dia que tivermos com Germano Machado sempre por perto!


Roberto Leal
Jornalista DRT/BA 3992
Ex- aluno do Curso de Filosofia Integrativa do professor CEPA/Germano Machado e ex-secretário e relações públicas dele por mais de 15 anos (1983 a 1999). Hoje presidente da Fundação Òmnira e vice-coordenador da União Brasileira de Escritores/BA





Clara de Assis: a coragem de uma mulher apaixonada

Leonardo Boff
Teólogo/Filósofo
                           

Há 800 anos, na noite de 19 de março de 2121, dia seguinte à festa de Domingos de Ramos, Clara de Assis, toda adornada, fugiu de casa para unir-se ao grupo de Francisco de Assis na capelinha da Porciúncula que ainda hoje existe. As clarissas do mundo inteiro e toda a família franciscana celebram esta data que significa a fundação da Ordem de Santa Clara espalhada pelo mundo inteiro.
Clara junto com Francisco -  nunca devemos separá-los, pois se haviam prometido, em seu puro amor, que “nunca mais se separariam” segundo a bela legenda época - representa uma das figuras mais luminosas daCristandade. É bom lembrá-la neste mês de março, dedicado às mulheres. Por causa dela, há milhões de Claras e Maria Claras no mundo inteiro. Ela, de família nobre de Assis, dos Favarone, e ele, filho de um rico e afluente mercador de tecidos, dos Bernardone.
Com 16 anos de idade quis conhecer o então já famoso Francisco com cerca de  30 anos. Bona, sua amiga íntima conta, sob juramento nas atas de canonização, que entre 1210 e 1212 Clara “foi muitas vezes conversar com Francisco, secretamente, para não ser vista pelos  parentes e para evitar maledicências”. Destes dois anos de encontro nasceu grande fascínio um pelo outro. Como comenta um de seus melhores pesquisadores, o suíço Anton Rotzetter em seu livro Clara de Assis: a primeira mulher franciscana (Vozes 1994): “neles irrompeu o Eros no seu sentido mais próprio e profundo pois sem o Eros nada existe que tenha valor, nem ciência, nem arte, nem religião, Eros que é a fascinação que impele o ser humano para o outro e que o liberta da prisão de si mesmo”(p. 63). Esse Eros fez com que ambos se amassem e se cuidassem mutuamente mas numa transfiguração espiritual que impediu que se fechassem sobre si mesmos. Francisco afetuosamente a chamava de a“minha Plantinha”. Três paixões cultivaram juntos ao longo de toda vida: a paixão pelo Jesus pobre, a paixão pelos pobres e a paixão um pelo outro. Mas nesta ordem. Combinaram então a fuga de Clara para unir-se ao seu grupo que queria viver o evangelho puro e  simples.
A cena não tem nadaa perder em criatividade, ousadia e beleza, das melhores cenas de amor dos grandes romances ou filmes. Como poderia uma jovem rica e bela fugir de casa para se unir a um grupo parecido com aos “hippies” de hoje? Pois assim devemos representar o movimento inicial de Francisco. Era um grupo de jovens ricos,vivendo em festas e serenatas que resolveram fazer uma opção de total despojamento e rigorosa pobreza nos passos de Jesus pobre. Não queriam fazer caridade para pobres, mas viver com eles e como eles. E o fizeram num espírito de grande jovialidade, sem sequer criticar a opulenta Igreja dos Papas.
Na noite do dia de 19 de março, Clara, escondida, fugiu de casa e chegou à Porciúncula. Entre luzes bruxoleantes, Francisco e os companheiros a receberam festivamente. E em sinal de sua incorporação ao grupo, Francisco lhe cortou os belos cabelos louros. Em seguida, Clara foi vestida com as roupas dos pobres, não tingidas, mais um saco que um vestido. Depois da alegria e das muitas orações foi levada para dormir no convento das beneditinas a 4 km de Assis. 16 dias após, sua irmã mais nova, Ines, também fugiu e se uniu à irmã. A família Favarone tentou, até com violência, retirar as filhas. Mas Clara se agarrou às toalhas do altar,mostrou a cabeça raspada e impediu que a levassem. O mesmo destemor mostrouquando o Papa Inocêncio III não quis aprovar o voto de pobreza absoluta. Lutou tanto até que o Papa enfim consentisse. Assim nasceu a Ordem das Clarissas.
         Seu corpo intacto depois de 800 anos comprova, uma vez mais, que o amor é mais forte que a  morte.

Aniversário da Cidade de Salvador

Aniversário da Cidade de Salvador

A nossa cidade de Salvador completa 461 anos de idade, muita festa está programada e muitas homenagens, exaltando a bela natureza e gastronomia soteropolitana.
Anos se passam e os motivos para nos orgulharmos da soterópolis diminui, a nossa cidade adentra o século vinte e um, claudicando na ingerência dos nossos governantes, a velha senhora esburacada, perde pontos turísticos, foram criados os sete pontos principais da cidade para uma maior atenção, contudo o que percebemos é uma cidade inchada, sem mobilidade urbana, sem segurança, sem opções de lazer para quem não segura um copo de cerveja.
As nossas praias são degredadas a cada tempo, o lugar onde ficava  o Clube Português é uma vergonha, projetaram tanto, que fizeram uma praça sem muita opção de diversão em meio a escombros do falecido clube.
O Parque Solar Boa Vista, lugar onde morou Castro Alves, até hoje não viu uma reforma, somente onde permeia a Secretaria de Educação, tem a  benesse de uma melhoria.
Tudo isso é o que a cidade ganha de presente, a desatenção e o destrato, uma cidade projetada para ser uma jóia, hoje chora no seu aniversário e o povo conformado aplaude, a imprensa comemora, mas não sabemos por qual motivo.



Marcelo de Oliveira Souza


Marcelo de Oliveira Souza
Escritor Filiado À Ube – Cappaz - ACLAC - Poetas del Mundo
Meus blogs:

Sarau Cataversos da Mooca



Com a  confirmação da presença da cantora e compositora Sissi Dumans, para o Sarau Cataversos da Mooca, no próximo sábado.
Sissi Dumans compôs vários sucessos na década de 70 e que foram gravados por grandes cantores da época. Entre muitas de suas composições podemos citar “Minha primeira desilusão”, que foi gravado pela cantora Silvinha em 1967 e que, por várias semanas, permaneceu em primeiro lugar nas paradas de sucesso. Quem quiser conferir  essa jóia raríssima na voz da cantora Silvinha é só acessar o site abaixo:


Sarau  Cataversos da Mooca

“No bairro mais romântico de São Paulo
O Sarau mais charmoso da cidade”

Sábado dia 31 de Março de 2012 às 15 horas

Aberto a todos que queiram participar
Local

NÚCLEO DE TERAPIAS FLOR DE LÓTUS
Rua Guaimbé, 48 – Mooca
Próximo ao Hospital CEMA
Altura do número 1000 da Rua Oratório
Ônibus Mooca no Metrô Bresser
Descer no final – Percurso de 15 minutos


Atenciosamente
 Ivan Ferretti Machado
 Cel. 9106-0948


ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...