lundi 23 juillet 2012

UMA ESCALADA E TANTO


Engraçado como as coisas acontecem de um modo aleatório sem que para isso tenhamos aplicado qualquer esforço intencional. Veja bem: aqui em Porto Alegre, meu amigo Glênio Reis, notável comunicador da Rádio Gaucha, chamava-me atenção sobre um grande “tangueiro” nacional que vinha assombrando “los porteños” com seus comentários na revista eletrônica PPP, da Argentina, na qual esbanjava conhecimentos incomuns a ponto de ser confundido com algum articulista de renome naquele país.
Era Agilmar Machado, honorável “lagunense” que tinha descoberto através do portal “Caros Ouvintes”, de Florianópolis, a quem passava a destinar vários comentários sobre os artigos que ali postava. Entrementes, eu era convidado pelo diretor Antunes Severo a colaborar naquele site, recebendo a retribuição do Agilmar. Consequência dessa nossa troca de “farpas”, resolvia postar uma matéria em meu blog sobre a homenagem que ele recebia da escola de samba da qual era um dos fundadores. E eis que me surgia a surpresa...
Era Jacqueline Aisenman comentando aquela postagem, logo seguida de apresentações de Agilmar sobre a ilustre lagunense radicada em Genebra (Suíça), a quem havia dedicado um texto de saudação e acolhida pela honrosa deferência. http://poetadasaguasdoces.blogpot.com.br/2008/02/navegando-pela-rota-de-porto-alegre.html.                                                          
Passava então a interagir com seu portal “Coracional” com minhas apreciações do material ali exposto. Um belo dia, sem querer, descobria a primeira foto colocada em seguidores do nosso “Poeta das Águas Doces” como Coracional. Então Jacqueline lançava “Varal do Brasil”.
Uma quadrinha comentando acerca de tela “natureza morta” e ela me respondia “vem pro Varal, vem poeta”. Daí sucedia-se algumas colaborações minhas para a Revista Varal do Brasil, coroadas com a publicação de dois textos no livro “Varal Antológico”, dos quais o segundo me havia solicitado para completar a cota de páginas de cada autor. Enviava-lhe então “O Velho ‘Chateau’ daqueles Rapazes de Antigamente” que ela logo remetia para revisão e depois me repassava o retorno com a nota “adorei esse texto”.
Era Maria Clarice Sampaio Villac, cujo endereço eletrônico descobria através de rastreamento na Internet a fim de agradecer a gentileza do seu comentário, enviando-lhe após os meus livros “Lá pelas tantas” e “Para não dizerem que passei em brancas nuvens”. Professora de Português na Escola Municipal de Ensino Básico Horácio Salles da Cunha (Valinhos-SP), de notável atuação nas áreas pedagógica e ambiental, assim podia constatar através de “Cantinho Literário” e “Ponto de Luz”, interessantes portais informáticos que editava com sucesso. Sem me dar conta do inesperado que me aguardava 
E assim fazia questão de conhecer pessoalmente aquela gente amiga da EMEB Horácio Salles da Cunha, como o coordenador pedagógico Wilson Vicente, a professora de Artes Leila Rangel, o diretor da Escola Prof. Frederico Rodrigues Póvoa Leal, a secretaria Vanessa de Cássia Palmeira e demais mestres, funcionários e alunos, os quais me dispensavam uma fidalga acolhida na visita àquela Escola, coroando todo essa escalada de valiosas amizades que me permitiam alcançar aonde eu jamais imaginava conseguisse atingir.

  
EM TEMPO: Nessa jornada memorável, ainda conhecia, ao vivo e a cores, figuras carismáticas como o radialista Edemar Annuseck por meio de “Caros Ouvintes”, http://poetadasaguasdoces.blogspot.com.br/2009/04/e-deixamos-de-ser-amigos-virtuais.html
E, no lançamento da coletânea “Varal Antológico” em Florianópolis os escritores Maria de Fátima Barreto Michels
E Raimundo Cândido Teixeira Filho,


ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...