vendredi 20 juillet 2012

Crônica da Urda


Aimar Kãm-Rem

Hoje conheci o Sr. Aimar Kãm-Rem, e ainda estou emocionada por ter tido a oportunidade. Quem é ele? Um artista do cinema internacional, um famoso cientista estrangeiro? Nada disso, Aimar Kãm-Rem é genuinamente catarinense, mais genuinamente catarinense do que qualquer um de vocês que estão lendo este texto e, apesar de falar corretamente o português, na sua casa ainda se fala a antiga língua que era falada em Santa Catarina antes de Cabral e do Dr. Blumenau, a língua Jê, ou Tapuia, da qual ouvimos breve referência no tempo da escola.
Teria eu ido a um congresso de antropologia, ou a uma palestra sobre a FUNAI? Não, eu estava sentada à minha mesa no banco onde trabalho, e ele apareceu lá. Era um senhor bem vestido, de porte digno, com pouco mais de 60 anos e, à primeira vista, achei que seu rosto asiático se devia a alguma mestiçagem com japonês. Dirigiu-se a mim com a educação de um japonês, e seu português era correto e fluente, e eu nunca pensaria que aquele era um dos legítimos herdeiros do povo Xokleng, descendente direto dos seus caciques. Ele queria saber como se fazia para abrir uma caderneta de poupança. Expliquei-lhe e, ainda achando que estava lidando com um descendente de japoneses, pedi-lhe seus documentos. E quando ele me deu a Carteira de Identidade, eu amoleci por dentro, me arrepiei, fiquei besta: aquele homem era a História e a Imaginação, o Passado e a Tragédia. Tenho certeza de que ele não entenderia se eu lhe dissesse tudo isto, e não lhe disse, mas confirmei:
- O senhor é descendente do cacique Kam-Rem?
Ele era neto.
Deixem-me explicar a minha emoção.
Lá por 1988 eu passei quatro meses estudando tudo o que encontrei sobre o povo Xokleng, os primitivos habitantes da nossa terra de Santa Catarina, povo formado de bravos que se negaram ao extermínio e à amizade corrupta do branco durante quatro séculos. Foi só na segunda década do século XX que Eduardo de Lima e Silva Hoerhan, neto do Duque de Caxias e seguidor da filosofia de Marechal Rondon (“Morrer, se for preciso; matar nunca!”), conseguiu a amizade da tribo arredia, amizade conquistada às custas de muita música de gramofone tocada sob as arcada da floresta de região de Ibirama/SC. A música criou os primeiros laços: Eduardo cuidou do resto, e, aldeando a tribo, impediu o seu extermínio, já que na ocasião, tínhamos um genocídio institucionalizado em toda a região, genocídio que chegou aos tribunais internacionais e foi condenado em todo mundo. Dei apenas linhas gerais do que aprendi sobre os Xoklengs – aprendi muito mais, precisava de dados para escrever o capítulo inicial do meu livro “Cruzeiros do Sul”, romance que conta a formação do povo catarinense. E lembro muito bem de que, na época da pacificação, o cacique dos Xoklengs chamava-se Kam-Rem.
Em cima do verdadeiro cacique Kam-Rem criei o meu personagem Kam-Rem, cacique do povo Xokleng 300 anos antes, um imaginário cacique calcado num cacique real. A grafia dos nomes difere da do homem que conheci hoje, mas o som é o mesmo, e meu coração se acelerou de curiosidade e magia. Ele era nascido em Ibirama, em 1932, e era filho de Kundagn Yupliu e Rosa Káv-Vân Priprá, este último, também velho nome tribal que eu conhecia. Não podia haver dúvidas de que ele era um neto ilustre, que descendia dos antigos príncipes desta nossa terra, e puxei conversa sem complicar demais (acho que ele não iria entender se eu lhe falasse que era romancista e essas coisa assim). Perguntei-lhe se conhecera o polêmico Eduardo, e o que pensava dele. Sim, conhecera e gostara de Eduardo, quis saber se eu o conhecera também. Não, eu não tivera o prazer, apenas lera sobre Eduardo de Lima e Silva Hoerhan em livros, e o olhar inteligente de Aimar Kãm-Rem me confirmou que ele entendia que se pudessem aprender tais coisas em livros. Quis saber se ele chegara a morar no mato, no tempo em que os Xoklengs continuaram seminômades. Não, ele não morara. Nascera quase vinte anos depois que a tribo tinha sido “amansada” (foi ele quem usou a expressão que acho aviltante), e sempre morara no aldeamento ou na cidade. Na verdade, ele demonstrava ter tido uma excelente educação à la européia, inclusive razoável educação escolar, e seu porte era o porte digno de um homem de mais de 60 anos que se sente ajustado à sociedade em que vive.
Eu acabara de abrir a sua caderneta de poupança, e ele tinha que se ir. Pedi-lhe que me procurasse quanto voltasse ao banco. E ele se foi, sem imaginar as emoções que desencadeara em mim. Fiquei observando-o dirigir-se para a rua, com sua camisa xadrez e sua calça jeans – parecia mais com um japonês alto do que com um herdeiro de príncipes ameríndios. Aimar Kãm-Rem era inteligente, mas com certeza, não sabia do seu valor como herdeiro da História.

Blumenau, 01 de Abril de 1996.

Urda Alice Klueger

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...