dimanche 3 juin 2012

Crônica da Urda


INESSES NA NUESTRA AMÉRICA QUE SEQUER IMAGINAMOS

(Excertos do livro “Viagem ao Umbigo do Mundo”, publicado em 2006)

E naquela noite houve o solene encerramento do Encontro Intercontinental, com um jantar num lugar extremamente bonito, uma antiga capela barroca que virara restaurante. Era a capela de um antigo monastério, e o restaurante levava esse nome. Enquanto escrevo estas linhas eu olho para algumas fotos dessa capela, e ainda me parece incrível que tenha estado lá. Não sei o que acontecera para a Igreja ter-se desfeito daquele recinto do mais puro, fino e elegante barroco – mas o fato é que se desfizera. Quem transformara a capela num restaurante tinha a medida da finesse e da beleza do lugar, e o restaurante ali instalado também tinha a finesse e a beleza que seriam necessárias para que não se perdesse no mínimo a solenidade e o respeito que aquele lugar merecia. Penso que, dificilmente, no mundo, poder-se-á ir-se a um restaurante tão perfeitamente belo e encantador quanto aquele, um testemunho do mais elegante barroco que se criou nas Américas, com suas pinturas originais e suas paredes folheadas a ouro.
                                               Foi nesse ambiente de extremo luxo e bom gosto que cada delegação e cada amigo foi homenageado, e se distribuíram os diplomas e outros troféus aos PHD que tinham vindo dos mais diversos pontos da América para aquela confraternização. Houve diversos discursos, de agradecimento e já de saudade. Era o final.
                                                                       Saí de lá com o meu diploma de APHD[1] e com um gosto de despedida na boca. No dia seguinte as delegações ou os companheiros começariam a partir para os seus países. Da nossa turma, quem partiu primeiro, foram o Zé Barbosa e o Azor. Não sei se voltaram a Iquique, se deram satisfação ao alcaide seu amigo por não estarem lhe levando a periodista prometida, conforme tinham combinado na ida. Eu veria o Zé Barbosa mais uma vez, em Blumenau, no ano seguinte, mas jamais imaginaria que, enquanto termino este livro, ele de repente desdobraria suas escondidas asas de Anjão Barroco Desajeitado, fugido de uma igreja setecentista, e voaria embora para sempre.[2]Eu não tinha idéia de que gostara tanto dele até saber da sua inacreditável partida – passei bem mal um dia inteiro, como a gente fica quando perde um amigo do peito – tínhamos, mesmo, virado uma família.


Urda Alice Klueger
Escritora, historiadora e doutoranda em Geografia pela UFPR

[1] APHD – Amiga dos Proprietários de Harley Davidson
[2] Zé Barbosa sofreu um acidente numa curva, no Paraguai, em 07 de março de 2006, onde faleceu.(Nota da autora)

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...