vendredi 2 mars 2012

S.O.S FACE BOOK

Raul Longo

(recebido de Urda Klueger)


Há muito tempo todo mundo tenta me convencer a entrar na tal rede de comunicações, mas como mal dou conta das mensagens pelo Outlook, não me entusiasmava.


Disseram que seria ótimo para encontrar amigos esquecidos, mas prefiro mesmo acarinhá-los na memória.



Disseram também que seria bom negócio para divulgar minha pousada. Não sou homem de negócios e prefiro que venham ao Sambaqui aqueles que mereçam encontrar este lugar, do que os induzidos por qualquer tipo de propaganda.



Enfim, disseram mundos e fundos, mas só me interessei agora que saiu esse livro pela Pallas Editora. Resolvi promovê-lo pelo Face Book porque ainda que o primeiro leitor seja o próprio escritor, nos falta o aplauso que estimule e a vaia que aponte onde melhorar em próximas oportunidades.



E já que as oportunidades são tão raras, principalmente aos temas de que trato, então...: Ao Face Book.



Primeira dificuldade: meu nome é indisponível porque alguém já tem uma conta no Face Book com o mesmo nome. Tá, é previsível. O jeito foi usar o outro sobrenome, mesmo imaginando que muitos não saberiam de quem se trata.



Daí vem umas perguntinhas para traçar perfil. Nada previsível! Mero reducionismo. Por exemplo, onde estudei? Sei de imbecis que estudaram em Yale e de gênios que não estudaram. Florestan Fernandes só pôde começar a estudar depois dos 19 anos. George Bush comprou diploma. Se não Yale, qualquer outra tão ou mais importante.



Onde trabalho? Na praia. Ganho pouco, é verdade, mas segui a carreira de empresário da praia por questão de vocação ao belo, ao vento, à maresia, aos carinhos de Iemanjá.



Outro dado para completar o que entendem por “perfil” é a cidade onde nasci. O  que tenho a ver com a cidade onde nasci? Me identifico mais com Quixeramobim, onde nasceu Antonio Conselheiro. Me identifico com cidades que nem existem mais. Não existe mais a cidade que era minha menina morena. Não existe mais a cidade que me fazia feliz por corresponder ao amor que tinha por ela. No susto e no espanto, aguardo que passe o medo de minha garota maravilhosa. Essas foram minhas cidades, as que moldaram o perfil de minha personalidade, me ensinaram a amar as mulheres, a sorrir com as crianças, a admirar os conhecimentos dos velhinhos. Não aquela em que nasci e cujas ruas só percorria a noite pelos cantos mais escuros. Aquela onde as luzes dos semáforos significam mais do que a vida em qualquer idade e gênero.



Quando imaginei que perguntariam minha raça, para poder dizer que pela minha bisavó e por gostar de samba e feijoada dou-me ao direito de ser negro, preferiram definir meu perfil pelo sexo. Se sou ou quero ser mulher serei Joana, jamais João! Mas, enfim, deixei pra lá e não respondi coisa alguma, lembrando de um velhinho do sertão de Sergipe onde a soldadesca da ditadura rastreava algum fugitivo. O único que havia ali era eu mesmo, mas nem desconfiaram. Foram desconfiar logo do velhinho porque não tinha documentos. E por que não? “- Oxente! É só ir até Estância e perguntar quem é eu que não há quem não informe que eu sou eu mesmo!”



Pra compensar o perfil rejeitado, e tasquei uma foto de frente, num sorriso que minha querida amiga Jasmim Losso me roubou num momento de distração.



Criei a senha, mais isso e aquilo e, pronto, estou no decantado Face Book!



Primeira coisa que me aparece é uma relação de fotos e nomes, alguns realmente conhecidos, outros que ficava procurando adivinhar quem seriam dos esquecidos velhos tempos. Como ali se afirmava serem todos meus amigos e se sugeria que os convidasse, convidei. Afinal, muitos de meus grandes amigos foram-me totais estranhos 5 minutos antes de conhecê-los.



De qualquer forma, ótimo! Exatamente o que queria: divulgar o livro para o maior número possível de pessoas. E ainda encontrei a opção para convidar a todos de cada relação clicando num único quadradinho. Melhor do que ficar selecionando quem quero ou não quero que seja meu amigo. Ninguém é obrigado a ser, e se não for que não responda. Mas por minha vontade todos seriam, pois de inimigos já me bastam os donos do poder, os espoliadores e os enganadores.



Dalí a pouco começa a despencar comunicados de aceitação de convite, com um link para entrar na página daquelas pessoas. Fui entrando e copiando o texto que fiz para divulgar a publicação.



De repente vêm uma mensagem, automática por certo, do próprio Face Book, dizendo que convidei pessoas que não conheço e isso vai contra as regras da rede que mandam ler para saber me comportar. Com mais o que fazer dou olhada por cima e logo respondo que, sim, compreendi que cometi um erro. Como só me ofereciam essa opção de resposta num quadradinho, não tive chance de explicar que o próprio FB me induziu a esse erro.  



Clico também na opção para cancelar os convites a quem não conheço e vou respondendo aos que continuam aparecendo na caixa de entrada do Outlook, tentando imaginar como é que o tal Face Book consegue saber quem conheço ou não, pois a grande maioria era de pessoas que ainda não me vieram à lembrança.



Admirado de como o FB é capaz de saber mais do que eu quem são meus verdadeiros amigos, fui até o final da noite. Hoje abro o correio imaginando que os realmente conhecidos haveriam de responder alguma coisa e despenca nova enxurrada de msgs de aceitação de convite. Dessa vez muitos com início de conversa e vários de fato conhecidos e amigos, do Brasil e de outras partes.



Na primeira que abro vem lá nova mensagem do Face Book dizendo que uns quantos amigos estão aguardando para entrar em contato comigo e a relação desses todos só a espera de um “E aí?”. Como na noite anterior já havia indicado que suspendessem os convites que inadvertidamente fizera aos que não conheço, imaginei que agora me indicavam apenas os que conheço. Até porque pelo menos os que encabeçavam a nova lista são de fato amigos dos quais me lembro. Sem tempo a perder para verificar um por um, novamente aceitei a opção do único quadradinho para todos aqueles que ali se afirmava aguardarem para entrar em contato comigo pela rede. Me pareceu evidente que já não estava mais convidando ninguém e sim aceitando convites para continuidade de conversas que voluntariamente iniciaram.



No entanto, foi a partir daí que a cada tentativa de responder ou ler a continuação de um início de msg que tantos me mandam, aparece isso aí:



Solicitações de amizade bloqueadas por 7 dias

Marque a caixa para indicar que entende a política de solicitação de amizade do Facebook.

Notamos que você enviou várias soliticações de amizade a pessoas que não conhece. Portanto, você não poderá enviar solicitações de amizade por 7 dias.

Para evitar que isso aconteça novamente, somente envie solicitações de amizade a pessoas que você conheça.

Compreendo que o envio de solicitações de amizade a pessoas que não conheço não é permitido no Facebook.



Parte inferior do formulário

Perdi a tarde inteira clicando ali no quadradinho do “tô compendendo”, mas apesar de me tratarem como a um imbecil, quando clico no “Avançar” aparece nova proposta de cadastramento e, para confirmarem que sou imbecil, insistem até que tente me recadastrar para, por fim, reafirmarem pela enésima vez: “você já está cadastrado, imbecil”.



O problema maior é que não para de entrar msgs com meio recado de conhecidos e nem tanto. Para ler o recado inteiro ou responder aos convites aceitos, tenho de entrar nesta droga do FB que repete que estou de castigo por 7 dias.



Castigo por que acreditei na propaganda enganosa do Face Book? Faz lembrar aquela tática do “produza drogas que nós compramos e depois derrubamos seu governo”.



Se imaginar que me censuraram por causa do tema do meu livro, parecerei alguém com mania de perseguição? Não serão evangélicos, os administradores dessa rede?



Ou será porque quem não quer contar onde estudou, em que cidade nasceu, qual o sexo ou onde trabalha, é um terrorista cibernético em potencial?



Se neste 7 dias esses caras ficarem entupindo minha caixa de entrada do Outlook, não consigo fazer mais nada além de passar uma semana cancelando a malfadada experiência. Isso sim é terrorismo!



Tentei encontrar um endereço onde possa escrever aos que administram essa coisa e não encontrei. Tentei pelo Google, mas ao invés de qualquer outra informação sobre a rede, abre-se a mesma advertência de que pequei contra a ordem e desordem estabelecida por eles.



E não param de soterrar minha caixa de entrada!



Se alguém tem alguma sugestão de como me livrar desse encosto, por favor me escreva. Se tem como escrever para seja quem for do tal FB, por favor enviem esse apelo para que me eliminem disso aí.



Vade retro Face Book!   

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...