mercredi 14 mars 2012

SEM TRUQUES

EMANUEL MEDEIROS VIEIRA

                    Para meus irmãos

“Deus Meu! Em que século – ou em que mundo – me fizestes nascer!”
(São Policarpo – Bispo de Esmirna, mártir e discípulo de São João Evangelista)

Ouvindo “Quem Sabe” (Carlos Gomes), com Francisco Petrônio e Dilermando Reis
O século nasceu velho.
Sem truques – só magia –
aprendi a me despedir de tudo
– colecionador de funerais –
Eternizarei (palavra esculpida na pedra) quero eternizar o canto de um pássaro que agora (para sempre?) escuto?
É para isso que aqui estou.
 

Dor crônica no pescoço?
É porque você foi enforcado em outra encarnação – garantem alguns.
 

Exaltação, melancolia, espera – o Nada –, o Tempo queimando,
a Palavra tentando driblar a Dessacralização desta vida.
(Mercantis tempos.)
 

“Está te faltando humor” – berra um diabinho interior.
 

Mas a vela continua acesa.
 

Perdeu importância a literatura?
Ela já não sintoniza as consciências.
E há livros demais:
hierarquizar é preciso.
 

Na TV, a hiper-realidade  é tão perfeita
que toda experiência real parece sem graça.
Tudo é simulacro?
Não as Parcas.
Somos tão frágeis?
Somos tão fortes?
Ou não somos?
Poucos de nós não nasceram para o rebanho.
Envelhecemos, passamos, vai-se a carne – e O Espírito sopra onde quer.
A vida foi mais que nada.



(Brasília, março de 2012)

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...