mardi 22 novembre 2011

Semana do Livro e da Leitura de Jaraguá do Sul

Semana do Livro e da Leitura de Jaraguá do Sul
 

Palestras, debates, oficinas e guias de leitura

Em homenagem ao Dia Mundial do Livro, celebrado no dia 23 de Novembro, a Fundação Cultural de Jaraguá do Sul e o Fundo Municipal de Cultura, com apoio da Design Editora e SESC Jaraguá do Sul promovem a Semana do Livro e da Leitura: um projeto de capacitação, fomento e difusão, que privilegia desde os alunos do ensino fundamental e m...édio, professores, leitores e escritores jaraguaenses. São sete dias em que o livro e a leitura estarão em pauta na cidade. O projeto está amparado em três eixos: formação de leitores, capacitação dos escritores locais e palestras. Já confirmaram presença no evento: Carlito Azevedo (RJ), Sérgio Fantini (MG), Ricardo Corona (PR), Sérgio Rodrigues (RJ), Paulo Sandrini (PR), Péricles Prade (SC), Henrique Rodrigues (RJ), Rubens da Cunha (SC), Manoel Ricardo de Lima (RJ), Gelson Bini (SC) e Marco Vasques (SC).

Mais: http://semanadolivro.blog.com/

Programação completa:

Segunda 21/11

Manhã, tarde e noite: Guias de leitura e oficina Literatura e Legião Urbana em 3 escolas jaraguaenses

Noite: apresentação de “Curare”, de Ricardo Corona (livro contemplado com a Bolsa Petrobrás) e debate“Pequenas editoras, grandes ideias”, com os editores-escritores Carlos Henrique Schroeder (SC), Ricardo Corona (PR) e Paulo Sandrini (PR), 19h, no SESC (Jorge Czerniewicz, 633)

Terça 22/11

Manhã, tarde e noite: Guias de leitura e oficina Literatura e Legião Urbana em 3 escolas jaraguaenses

Quarta 23/11

Manhã, tarde e noite: Guias de leitura e oficina Literatura e Legião Urbana em 3 escolas jaraguaenses

Noite: Debate “Jornalismo, crítica e literatura”, com Sérgio Rodrigues (RJ), do blog Todo Prosa, da Revista Veja, 19h, no SESC (Jorge Czerniewicz, 633)
http://veja.abril.com.br/blog/todoprosa/

Quinta 24/11

Manhã e tarde: Guias de leitura em 2 escolas jaraguaenses

Noite: Lançamento do livro “Dialeto Vêneto: persistência e evolução — uma ponte entre Belluno e o Vale do Itajaí”, de Iria Tancon, 19h, no SESC (Jorge Czerniewicz, 633)

Sexta 25/11

Manhã e tarde: Guias de leitura em 2 escolas jaraguaenses

Noite: Debate com o Presidente da Academia Catarinense de Letras, o escritor Péricles Prade, e lançamento da Revista-livro Osíris (os presentes receberão gratuitamente a revista). Mediação de Marco Vasques e Rubens da Cunha, 19h, no SESC (Jorge Czerniewicz, 633)
http://www.revistaosiris.com.br/

Sábado 26/11

Tarde: oficinas com Carlito Azevedo e Sérgio Fantini, a partir das 14h, no SESC (Jorge Czerniewicz, 633)

Noite: Palestra “Filosofia, artes visuais e literatura”, com o Prof. Dr. Manoel Ricardo de Lima, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 19h, no SESC (Jorge Czerniewicz, 633)

Domingo 27/11

Tarde: livro na praça, 15h, na praça Ângelo Piazera, centro. Distribuição gratuita de livros da Design Editora.

1º MOVIMENTO DE OCUPAÇÃO LITERARIA DE VILA DE ABRANTES


 


Clara Maciel, a Guerreira das Letras, iniciou, nesse domingo (20), a ocupação literária da Praça de Buris, em Abrantes, distrito de Camaçari-BA.

A festa literária durou todo o dia e contou com a presença ilustre do Deputado Deraldo Damasceno, dos escritores Valdeck Almeida de Jesus, Clara Maciel, Varenka de Fátima Araújo, Jô Benevides e da comunidade local. Ao som de músicas baianas, Clara abriu o recital com poemas de sua autoria, seguida de alunos de escolas locais, que realizaram performances e leituras dramáticas.
 



Valdeck Almeida de Jesus lançou, na oportunidade, os livros "Varal Antológico", "Antologia da Cappaz", "Antologia Poetas Del Mundo - 2011", "IX Antologia dos Poetas Vivos de Olinda" entre outros. Varenka de Fátima lançou o recente livro "Ela em versos", que esgotou em poucos minutos.

Segundo Clara Maciel "este é o primeiro de outros eventos literários em Buris". O povo da localidade aprovou com presença maciça. Fica a dica para outras datas comemorativas, quando o espaço poderá ser ocupado com livros e poesias.

Clara Maciel e Valdeck Almeida de Jesus comemoram Dia da Consciência Negra com livros. http://www.brasilwiki.com.br/noticia.php?id_noticia=47668
 



Lançamento do livro: * O PRÍNCIPE GATO

Boa tarde Amigos da Literatura !
Convido vocês para conhecerem a divulgação do lançamento do livro: * O PRÍNCIPE GATO *
Sintam-se a vontade para deixar seus comentários desejando muito sucesso aos novos autores.


Esse blog é nosso !  Uma ferramenta de divulgação que vai crescer a cada dia !
Então vamos prestigiá-la desde já !

Um grande abraço a todos.


André Victtor
Administrador do blog Amigos da Literatura   

Levanta povo indígena! Levanta povo de luta!

Por Elaine Tavares - jornalista

A investida contra as comunidades indígenas está recomeçando com bastante violência no Brasil. Recentes acontecimentos como a completa indiferença do governo diante da luta das comunidades atingidas por Belo Monte ou a destruição do Santuário dos Pajés na região de Brasília mostram que a fúria dos grandes empreendimentos pretende passar o rodo sobre qualquer obstáculo que se interponha entre seu desejo de lucro. Essa não é uma atitude nova, mas, agora, parece que está tomando maior furor, como o que se registrou em Mato Grosso, com o assassinato e o sequestro do corpo do cacique Nísio Gomes, da comunidade Guarani.
Desde a invasão de Pindorama que os indígenas vêm sendo dizimados. Como os que habitavam essas terras não estavam organizados em cidades ou civilizações, como foi o caso dos Maias, Astecas e Incas, ficou bem mais fácil atuar na lógica do genocídio. Toda e qualquer comunidade que estivesse no caminho dos “colonizadores”, era imediatamente passada pelo fogo dos arcabuzes, uma vez que não se rendiam à escravidão. Isso foi sistemático até o início do século XX. Os primeiros assassinos de índios foram os bandeirantes, que eram as tropas mercenárias da ocupação, depois, com a chegada dos imigrantes, eles mesmos foram autorizados a darem cabo nos “selvagens” que atrapalhavam a instalação das cidades e do progresso.  Foi só no século XX que o Brasil iniciou uma nova política indigenista, comandada pelo Marechal Rondon, que tinha como diretriz, dominar sem matar. A proposta das incursões comandadas por Rondon era a de estabelecer a paz, integrar o índio à sociedade brasileira e abrir ainda mais as fronteiras.
 Inegavelmente a obra de Rondon  foi um avanço diante do extermínio sistemático, mas ainda assim, a lógica de confinamento em reservas ou a absorção dos indivíduos numa sociedade racista e excludente não se constituiu a melhor solução. Até porque, todo o debate sobre onde deveriam ficar os indígenas não respeitou a ocupação original e muitos foram desterrados de seus lugares de origem, ocasionando a perda de parte de sua cultura e identidade.
Hoje, os indígenas brasileiros seguem lutando pelo direito básico a terra. Grande parte das comunidades não tem seus territórios demarcados e as pessoas vivem praticamente como prisioneiras em campos de concentração, tuteladas pelo governo que pouco lhes dá.  Tudo isso tem levado os povos indígenas a longas batalhas para recuperar seu território, sua cultura e sua forma de organizar a vida.  No geral, a luta não consegue ultrapassar a busca do prosaico direito de comer, tamanha é a indigência das políticas governamentais diante do tema.
Não bastasse todo esse processo de tutelagem/abandono que, na prática, acaba segregando, as comunidades ainda cometem o terrível “crime” de viverem sobre terras muito ricas, o que os torna presas sistemáticas dos grandes projetos nacionais públicos ou privados de “desenvolvimento”. Hoje, no Brasil, são 546 áreas indígenas que congregam mais de 330 mil almas, num total de 170 línguas. A maioria vive enredada em conflitos causados por especuladores, pistoleiros, jagunços.  A tenebrosa batalha pela demarcação da Raposa Terra do Sol é um exemplo concreto de como a nação vê a demanda indígena pela terra. Com declarações estúpidas como: “para quê índio precisa de tanta terra?”, os empresários e fazendeiros de rapina vêm lutando para barrar essa vitória. E assim, sucessivamente acontece em todos os espaços onde vivem os indígenas.
No Mato Grosso do Sul não é diferente. Lá vivem atualmente mais de 28 mil índios de 38 etnias, com indícios de mais nove povos ainda não contatados. Segundo Flávio Machado, coordenador regional do Cimi, ali se concentra a segunda maior população indígena do país e a que vive em pior situação, uma vez que 98% dela está confinada em pequenas reservas que representam apenas 0,2 do território estadual. Toda essa gente vive acossada pela especulação imobiliária, pelos fazendeiros, pelos grandes empreendimentos. A morte do cacique Nísio era mais uma dessas mortes anunciadas que acontecem todos os dias no âmbito da luta pela terra. Porque ele era um lutador, assim como toda sua gente. O Mato Grosso do Sul é um estado que está na linha do desejo do agronegócio e tem as terras mais produtivas do país. Para aquele estado estão planejadas 30 novas usinas de açúcar e álcool, daí a cobiça dos fazendeiros que querem apostar na monocultura sem risco.
Os conflitos de terra na região remontam ao ano de 1983, quando foi morto o cacique Marçal de Souza, no processo de retorno para as terras originais que havia sido iniciado pelos indígenas. Desde aí, o estado do Mato Grosso do Sul passou a ser uma zona de massacre sistemático. Há dois anos foram assassinados dois professores que viviam em área indígena, assim como há dois meses outra morte foi registrada na mesma área, isso sem contar as ameaças de todos os dias. Tudo isso é feito por um grupo paramilitar que, segundo o Cimi, já foi reconhecido até pelo Ministério Público, uma vez que os ataques são bastante semelhantes, assim como as balas encontradas na região do crime. Para se ter uma ideia do processo de violência no Mato Grosso do Sul, em oito anos foram assassinados 452 índios no Brasil inteiro, sendo que 250 foram no MS. Agora, numa demonstração de completo cinismo, os ruralistas da região exigem reunião com o Ministro da Justiça, porque não estão gostando de estarem sendo considerados suspeitos. Dizem querer justiça, o que no caso deles significa a desocupação das terras pelos indígenas.
A realidade dos povos indígenas do Mato Grosso do Sul, assim como das demais regiões do Brasil, vive escondida sob o tapete da indiferença e da impunidade. Os meios de comunicação só falam de índio no dia 19 de abril ou quando ocorre uma desgraça. Ainda assim, as reportagens totalmente descontextualizadas não ajudam a que a gente possa fazer uma reflexão crítica sobre a situação real das comunidades. No geral permanece o preconceito criado pelos brancos de que os indígenas são preguiçosos e atrapalham o progresso da nação.
A morte do cacique Nísio Gomes não é uma tragédia pessoal. Ela representa uma tragédia coletiva vivida sistematicamente pelos povos originários dessas terras desde a invasão em 1500. Compreender isso e atuar em consequência é tarefa urgente dos sindicalistas e militantes sociais de todas as áreas. Já basta de impunidade e de tutela. É hora de as nações indígenas terem seus direitos garantidos e desde aí, avançar para a soberania. Nossa tarefa é juntar forças e caminhar junto com o povo indígena nessa grande batalha que haverá de ter um fim. 
Blog da Elaine: www.eteia.blogspot.com

 

Semana Literária de Arte, Prosa e Verso da ABRAMES 2011

A ABRAMES - Academia Brasileira de Médicos Escritores, na pessoa de sua presidente a Dra. Juçara Valverde, convida para a "Semana Literária de Arte, Prosa e Verso da ABRAMES 2011", nos dias 23, 24 e 25 de novembro.

No dia 23, próxima quarta feira, as 15h a semana será aberta com a cerimônia de Posse da Diretoria para o biênio 2012/2013 e com a

Homenagens aos seguintes apoiadores da ABRAMES:



* Ac. Eliane Mariath, Presidente FALARJ

* Ac. Andréia Donadon Leal, Presidente ABL-MARIANA MG

* Ac. Dyandrea Valverde, Diretora Global de Marketing da LITERARTE - RJ

* Ac. Stella Leonardos, Presidente Academia Carioca de Letras - ACL RJ

* Ac. Jacques Azicoff, Presidente Academia de Artes, Ciências e Letras de * Iguaba Grande - AACLIG RJ

* Dra Márcia Rosa, Presidente do CREMERJ

* Professor Celso Ramos Ferreira Filho, Ex-presidente - SMCRJ

* Professor Gilberto Mendonça Teles

* Professor Marcus Vinícius Quiroga

Grande Homenagem: Ac. Marialzira Perestrello e Ac. Em. Tito de Abreu Fialho
.
Na ocasião, os convidados ainda apreciarão as
Palavras do Acadêmico Marco Aurélio Baggio e
Leitura dramatizada de Antígone com o Grupo de AnaLu Palma


Local: Auditório Julio Sanderson, em Botafogo, CREMERJ,
Praia de Botafogo 228, Botafogo, RJ/ RJ
Entrada Franca

Visite o Site da ABRAMES e conheça a sua história e os seus acadêmicos:http://www.abrames.com.br/

Recebido de:
MARA LOPES



Concurso Academia Divinopolitana de Letras

Aos Músicos do Brasil que encantam o mundo!


Solicitação de doação de livros

A Biblioteca Comunitária João Rodrigues de Matos, sito à Av: João Batista Rios,2719, Itarema- Ce, CEP 6259-000, é uma entidade cultural sem fins lucrativos a serviço da cultura e pesquisa escolar de cunho pedagógico e científico, não recebendo nenhuma ajuda oficial. Portanto solicitamos de V.Sa., doações de livros de sua autoria e de outros autores e publicações em geral para o nosso acervo bibliográfico, que ficarão à disposição dos nossos leitores consulentes e pesquisadores.  E números da revista Escritores do Clube de Escritores de Piracicaba anteriores ao ano de 2010.

     Antecipados agradecimentos: Professor Francisco de Assis Matos- Diretor.

Contato: Prof. Mattos  bibliocomjrmatos@gmail.com 

Seminário: Judith Grossmann. Livro: Lígia Telles


INDISCUTÍVEL TALENTO DAS ESCRITORAS BRASILEIRAS VOLUME I E II / Várias Autoras

Palavras de Joyce Cavalccante


É sabido que o Brasil é um país incomum, tanto que é usual se dizer que esse não é um país, mas sim um estado de espírito. E, acima dessa imparidade, temos duas coisas que comprovadamente só existem por essas bandas: A Jabuticaba, uma frutinha preta e deliciosa da família das mirtáceas, nativa da Mata Atlântica – uma floresta tropical cuja biodiversidade de seu ecossistema é uma das maiores do mundo, porque tudo aqui é abundante. Exuberante. Gigantesco.

E a outra coisa inusitada que nossa terra abriga é a REBRA – Rede de Escritoras Brasileiras, uma associação de brilhantes autoras que fazem do nosso país uma referência no fazer literário. Estamos presentes em todos os estados brasileiros. Temos representantes em dez países estrangeiros. Somos fortalecidas pela sabedoria de mulheres de mais de 90 anos e com a audácia de adolescentes de 18 anos. Nossa missão, é alargar as oportunidades oferecidas às escritoras brasileiras, permitindo, desse modo, o florescimento e o usufruto dos melhores talentos literários, sejam vindos de cérebros masculinos ou femininos. Tanto faz.

Consideramos que, desde sua fundação até os dias de hoje, a REBRA tem conseguido, palmo a palmo, cumprir seus propósitos. Nós nos movimentamos com pequenas atitudes e grandes ousadias. Entre elas, as mais marcantes foram a criação do SER ­– Selo Editorial REBRA para facilitar a publicação das obras de autoria de nossas associadas e para chancelar as diversas coletâneas que temos organizado ao longo desses 13 anos de existência, e que funcionam como vitrine da nossa produção cultural. Em 2009, num gesto corajoso, juntamente com as entidades americanas BRASA – Brazilian Studies Association e BEA – Brazilian Endowment for The Arts, realizamos o Primeiro Congresso de Escritoras Brasileiras em Nova York.


Foi um luxo absoluto promovermos o histórico encontro entre a inteligência americana e a alma feminina da literatura brasileira. Em março de 2011, tivemos a gratificação de levar o nome da literatura brasileira até o Salón Du Livre de Paris. Com a participação de 62 autoras e o apoio da organização francesa Divine Institut des Arts et Culture, publicamos em francês a antologia intitulada Le Grand Show Des Écrivaines Brésiliennes. Acabamos de estabelecer parceria com a livraria suíça Varal do Brasil que comercializa livros brasileiros para a Europa. É a partir de lá que vamos exibir, permanentemente, nosso indiscutível talento. Planejamos ainda grandes conquistas até que o sonho se confunda com a concretude.

O imaginário brasileiro deverá ser largamente exportado, pois ele é, sem dúvidas, nosso melhor produto. Sendo a nossa pátria amada uma mãe gentil, como canta o nosso hino, não há surpresa nessa explosão de talentos femininos. Somamos, nessa data o total de 3.520 mulheres a dar suporte à concepção de um mundo inovador, igualitário e, portanto, justo e acolhedor. Em síntese, a nossa proposta é melhorar a vida das mulheres e dos filhos das mulheres. Nossa determinação é superlativa como tudo que é brasileiro. Essa determinação nos levará bem longe. Essa mesma determinação nos trará de volta até a nossa mesa de trabalho onde, solitariamente, exerceremos com mestria a tarefa que Deus nos confiou: Criar.
Joyce Cavalccante - Fundadora e presidente da  REBRA – Rede de Escritoras Brasileiras
www.rebra.org
O Prêmio Nobel de Literatura foi instituído em 1901. De lá para cá, foram 108 distribuições dessa alta recompensa para escritores que, com sua arte, estimularam as asas da humanidade. Em 1914, devido ao início da primeira guerra, o prêmio não foi concedido. Fora isso, o evento não teve outra interrupção e, dessas 108 premiações, apenas 12 foram parar em mãos femininas, contra 96 em mãos masculinas. Isso quer dizer que há uma clara desigualdade entre a maneira como a sociedade global vem tratando o talento feminino e o talento masculino.

Sem pudor, ela vem sonegando recompensas às excelentes escritoras e premiando os excelentes escritores generosamente, embora, teoricamente, as mulheres sejam metade do contingente populacional desse mundo, e, embora teoricamente, elas sejam tão brilhantes quanto os homens. Nesse caso, a desigualdade numérica é tão discrepante que sequer é permitido achar que se trata de uma mera casualidade.

É propondo esse tipo de reflexão que a REBRA – Rede de Escritoras Brasileiras, organização que chancela a presente coletânea, deseja trazer para todos e todas uma digna moldura de igualdade entre os gêneros. Essa é a nossa missão.
Está na Europa? Encontre o livro na Livraria Varal do Brasil http://www.livrariavaral.com/

AUTORA: CEIÇA ESCH


Pedagoga, Professora, Escritora.
Livros de poesias publicados: Suave Delírio, Eternamente...
Livros Infantis: O chulé do Zé, Eita cachorrinho!!!, Ginho o lobo que não era bobo, Cavaleiro dos Sonhos, A Lagartixa Voadora.
Participação em diversas Antologias Nacionais e Internacionais
Acadêmica da ARTPOP -Academia de Artes de Cabo Frio, da ALG- Academia de letras de Goiás Velho- cadeira 13, da AACLIG- Academia de Artes, Ciências e Letras de Iguaba- Quadro Efetivo dos Acadêmicos Imortais Patronos de Cadeiras Patronímicas– cadeira 18.
Prêmios Personalidade 2010, Categoria Produção Literária da ARTPOP e da AFBA (Associação Fluminense de Belas Artes)
Comenda da AFBA, Comenda da ABD (Associação Brasileira de Desenho e Artes Visuais), Delegada da Academia de Letras y Artes de Val Paraíso- Chile.


Está na Europa? Encontre os livros de Ceiça Esch aqui: http://www.livrariavaral.com/

Contatos:

Noite de Autógrafos Coletiva na LIvraria LEITURA- BH

Segunda-feira, 21 de novembro de 2011Noite de Autógrafos Coletiva na LIvraria LEITURA- BH Shoping , na quinta feira, 24 de novembro


Meu convite especial para você:

Prezados amigos:Átila Siqueira e a Livraria Leitura do Bh Shopping, em Belo Horizonte, convidam para uma noite de autógrafos coletiva, com os livros dele (O Vale dos Elfos I e II) Quinta feira,  24 de novembro de 2011,  às 19 horas.Dela participarão, ele próprio  (Átila Siqueira) , Lucas Valadares, Antonio de Souza, Márcia Cristina Simões , Newton Emediato e eu ( Clevane Pessoa )

Noite de autógrafos  coletiva .





Acima, uma das páginas bordadas de meu livro O Sono das fadas, cujas ilustrações~eos são bordados da artesã premiada mineira Angélica Rodrigues dos Santos, fotografados por Marco Llobus, editor e autor do projeto gráfico.O livro- para crianças até cem anos- tem selo Catitu/Halt, de Belo Horizonte.O livro foi lançado originalmente na Bienal do Livro do Rio de Janeiro.


Convido os amigos e a quem , especialmente, mandou-me e-mails dizendo que gostaria de adquirir um exemplar.Ou mais. Afinal, o Natal está às portas.
Márcia Cristina Simões é de nosso grupo dos Poetas pela Paz e pela Poesia e estará com três livros (vide convite).Quanto ao livro de Átila ,a quem agradeço o convite para integrar o grupo de autores dessa noite,  O VALE DOS ELFOS, em dois tomos, vem agradando crítica , conquistando leitores-e tem ilustrações do grande artista plástico Wander Lara.
Depois de ler os demais titulos, comentarei a respeito.
Informo ainda que por motivo de não envio pela editora,e de outra que enviou , do Exterior e ainda não chegaram,  deixo de autografar dois novos títulos de livros de Poesia, o que espero fazer em breve, noticiando neste e em outros de meus blogs.
Esperamos amigos, parentes e quem gostar de LEITURA.O papo promete...


Clevane Pessoa


___________________________




"Os autores Átila Siqueira, Lucas Lopes Valadares, Newton Emediato Filho, Clevane Pessoa, Antônio Rodrigues de Souza e Márcia Cristina Simões, com o apoio da Livraria Leitura – BH Shopping, da Academia Mineira de todas as Artes, da RHS Editora e do artista plástico Wander Lara; têm o prazer de convidar a todos para a: NOITE DE AUTÓGRAFOS EM CONJUNTO, em que estarão sendo autografados os respectivos livros:
VALE DOS ELFOS I e VALE DOS ELFOS II, de Átila Siqueira; MARCAS, de Lucas Lopes Valadares; UM CARRO DE BOIS QUE TRANSPORTAVA LOGOS, CRONISTAS, CONTISTAS E POETAS CONTEMPORÂNEOS (Coletânea) e ANAIS DA IV JORNADA GUIMARÃES ROSA (coletânea), de Newton Emediato Filho; O SONO DAS FADAS, de Clevane Pessoa; FLORES NO POTE e CARTAS DA UTOPIA, de Antônio Rodrigues de Souza; REMINISCÊNCIAS DO COTIDIANO, ALÉM DOS MEUS PLANOS e PONTO DE VISTA, de Márcia Cristina Simões.

Aguardamos a presença de todos, para prestigiarem os autores e para um bom papo entre amigos.
Contamos também com a colaboração de todos na divulgação do evento."
--
Por Clevane Pessoa de Araújo Lopes*
*Membro da REBRA_Rede Brasileira de Escritoras.* *Representante do Movimento Cultural aBrace-Brasil;Uruguai (entre outras organizações e associações)

Fonte da nota oficial
http://atilasiqueira.blogspot.com/2011/11/noite-de-autografos.html e Livraria Leitura (att Vicente) -BH Shopping-Belo Horioznte-MG-Brasil

Premiação do Concurso "Professora: trabalhadora em Educação"

No dia 8 de novembro, aconteceu a premiação do concurso literário "Professora, trabalhadora em Educação", organizado pelas comissões de Professores Aposentados e Pensionistas (Copap) e de Gênero e Etnia do Sinpro-Rio.
Compuseram a mesa do evento o presidente do Sindicato, Wanderley Quêdo; o 1º secretário, Marcelo Pereira; e as diretoras Adalgiza Burity e Yara Maria Pereira; que ressaltaram a importância do evento. "É muito gratificante realizar esta homenagem à mulher, em primeiro lugar. Quando nasci, a mulher votava há apenas sete anos. A mulher ficava muito ligada à família e fazia desde país um lugar maravilhoso, mas sem destaque nenhum. Desde então, evoluímos", afirmou a professora Adalgiza, coordenadora da Comissão de Professores Aposentados e Pensionistas (Copap).
A primeira colocada ganhou uma viagem com acompanhante dentro do programa Copap na estrada; a segunda, uma viagem no mesmo programa sem acompanhante; e a terceira, um curso, a escolher, dentro da Escola do Professor, no primeiro semestre de 2011.
Veja a lista das contempladas:

Menção Honrosa - "Professora trabalhadora em educação"
3º lugar - "Maria do dia a dia" – Profª. Chaja Freida Finkelsztain
2º lugar - "Professora, trabalhadora em educaçăo" – Profª. Dinah Luiza da Silva
1º lugar - "Professora: mulher e trabalhadora sempre" – Profª. Gisela Ribeiro da Silva

3º lugar - Maria do dia a dia - Profª Chaja Freida Finkelsztain, autora que sempre nos premia com seus belos textos na revista Varal do Brasil. Chaja está no livro Varal Antológico I e estará presente também no volume II.

Fonte do texto e imagem: http://www.sinpro-rio.org.br/

Solenidade da Academia Catarinense de Letras: Parabéns Luiz Carlos Amorim!


Nossos cumprimentos especiais ao escritor e grande divulgador da literatura catarinense, Luiz Carlos Amorim, que há mais de trinta anos batalha neste terreno cultural nem sempre fértil. Seu grupo literário A Ilha é um exemplo para todos os que se engajam na carreira literária.
Luiz Carlos Amorim, parabéns!

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...